Educação

Vai deixar de ser obrigatório ler Os Maias no secundário

9.060

As novas diretrizes das aprendizagens essenciais prevêem que seja apenas ensinado um romance de Eça de Queirós, não especificando qual. Na disciplina de História também há conteúdos que desaparecem

MARIO CRUZ/LUSA

Os Maias” e “A Ilustre Casa de Ramires”, ambas assinadas por Eça de Queirós, vão perder o estatuto de leitura obrigatória no programa do ensino secundário. Em notícia do Público lê-se que esta medida faz parte das novas “aprendizagens essenciais”, novos pilares curriculares do ensino no 10º, 11º e 12º ano que substituem as “metas curriculares” implementadas por Nuno Crato, anterior ministro da Educação.

Já aplicada em 230 escolas do projeto-piloto de flexibilidade curricular, esta medida vai passar a ser aplicada de forma geral nos anos iniciais de cada ciclo — ou seja, no 1º, 5º, 7º e 10º ano — e em 2019/2020 os exames vão passar a avaliar “o que está disposto nas aprendizagens essenciais”, revelou ao diário o Ministério da Educação.

O mesmo gabinete do Governo adiantou ainda que estas aprendizagens essenciais (que foram elaboradas pelas associações de professores) têm como objetivo minimizar as dificuldades inerentes à “extensão” dos programas curriculares em vigor, sendo que na prática foram pensadas com a intenção de “identificar disciplina a disciplina e ano a ano o conjunto essencial de conteúdos, capacidades e atitudes” que os alunos devem reter.

Sobre este assunto, a presidente da Associação de Professores de Português (APP), Filomena Viegas, afirma que “há uma diminuição das obras propostas para leitura, que coexiste com o alargamento das opções que podem ser tomadas pelos professores”. Isto significa que enquanto em anos anteriores estava especificado que “Os Maias” e “A Ilustre Casa de Ramires” tinham de ser obrigatoriamente estudados, agora é apenas exigida a leitura de uma obra de Eça de Queirós. O mesmo acontece com obras narrativas de Almeida Garrett, Alexandre Herculano e Camilo Castelo Branco e poesia de Antero de Quental e Cesário Verde. Os contos, por exemplo, vão deixar de ser lecionados.

A presidente da APP justifica a medida dizendo que “o que interessa é conhecer a obra do autor, pois qualquer leitura feita deve permitir fazer outras” e reforça a ideia afirmando que nos exames nacionais “cada vez mais se está a deixar de privilegiar uma obra específica de um autor”. O Ministério defende-se ao garantir que “a avaliação da educação literária terá em conta o conhecimento dos autores e movimentos literários, o que pode ser aferido com base em leituras diferenciadas”.

A disciplina de História A também foi visada nesta reorganização curricular, sendo que alguns temas vão deixar de ser leccionados. No 10º ano, por exemplo, desaparece o conceito de direitos humanos, que até então era abordado no módulo “abertura europeia do mundo” nos séculos XV e XVI. No mesmo ano letivo mas no capítulo da Idade Média destaque para a eliminação da “dimensão cultural (arte gótica, religiosidade, ordens mendicantes e confrarias, escolas, universidades, …)”, conta ao diário a professora de História e autora Elisabete Jesus. “A imagem que me ocorre das aprendizagens essenciais é a de um friso cronológico em forma de puzzle. Um puzzle com algumas peças encaixadas à força, sem sentido, e um puzzle inacabado. Faltam-lhe peças”, concluiu a professora.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)