Estivadores

Transitários acusam estivadores de “práticas anti portuárias” na marcação de greve

O protesto de 24 horas, segundo a Associação dos Transitários de Portugal, provoca "prejuízos imediatos e diretos para a imagem e atividade" do Porto de Lisboa.

Tiago Petinga/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A Associação dos Transitários de Portugal alertou esta quinta-feira para os prejuízos para a imagem e atividade do Porto de Lisboa da greve dos estivadores agendada para 27 deste mês, acusando os promotores do protesto de “práticas anti portuárias”.

A reação da APAT – Associação dos Transitários de Portugal, divulgada esta quinta-feira, surge na sequência do pré-aviso de greve, divulgado na passada sexta-feira pelo Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística (SEAL), acerca de um protesto de 24 horas, entre as 8h de 27 de julho e as 8:00 de 28 de julho, nos portos de Lisboa, Setúbal, Sines, Figueira da Foz, Leixões, Caniçal, Ponta Delgada e Praia da Vitória.

“Foi sem grande surpresa que fomos confrontados com mais um pré-aviso de greve emitido pela direção do SEAL, em violação do acordo de paz social alcançado, por alegadas práticas antissindicais, quando, em bom rigor, se assiste precisamente ao inverso: práticas anti portuárias”, afirma a associação no documento.

O protesto de 24 horas, segundo a APAT, provoca “prejuízos imediatos e diretos para a imagem e atividade” do Porto de Lisboa, que diz ser “o mais afetado” de todos os portos abrangidos pela greve que considera “reprovável”.

“A APAT, na prossecução da sua missão, considera importante que seja do conhecimento público que estas greves prejudicam gravemente a atividade portuária e a imagem dos portos nacionais”, defende no comunicado, explicando que estes protestos condicionam, desde o momento do pré-aviso, as escalas dos navios, que optam por outros portos.

A associação diz que esta situação é “particularmente grave no caso do Porto de Lisboa”, uma vez que recentemente recuperou das escalas perdidas aquando das greves dos últimos anos. “A pergunta que se impõe neste momento é saber se o SEAL pretende, depois de ter prejudicado gravemente o Porto de Lisboa, fazer o mesmo com os restantes portos nacionais”, questiona, defendendo que “todos se deviam unir em torno da defesa do porto de Lisboa”.

A associação acusa ainda o SEAL de ser, “mais uma vez, o primeiro na linha da frente de ataque, contra tudo, contra todos e contra os interesses dos seus próprios afiliados”.

Há dois dias, também a Associação dos Agentes de Navegação de Portugal (Agepor) acusou SEAL de “usar e prejudicar” os trabalhadores do Porto de Lisboa com a greve marcada para final do mês. “O SEAL usa e prejudica os estivadores de Lisboa para objetivos que nada têm a ver com o Porto de Lisboa e que só vêm prejudicar este porto e quem nele trabalha”, acusou a Agepor, em comunicado divulgado.

A greve convocada pelo SEAL termina às 8h de 28 de julho, sábado, e tem como fundamentos “a crescente proliferação de práticas anti sindicais nos diversos portos portugueses, revestindo-se estas de extrema gravidade no Porto de Leixões, permanecendo ainda graves no Porto do Caniçal”.

Aquele sindicato, de âmbito nacional, em comunicado divulgado, acusou as empresas portuárias dos portos abrangidos pela greve de comportamentos que configuram diferentes tipos de “assédio moral, desde perseguição a coação, desde suborno à discriminação, desde as ameaças de despedimento à chantagem salarial”, e que visam colocar uns trabalhadores contra outros e evitar a sua sindicalização.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)