Presidente Trump

Trump revela plano para convidar Putin para uma cimeira em Washington no outono

Assessora de imprensa de Trump revela que existem contactos para convidar presidente russo para uma nova cimeira, agora nos EUA. Diretor nacional dos serviços secretos foi apanhado de surpresa.

ALEXEY NIKOLSKY/SPUTNIK/KREMLIN / POOL/EPA

Donald Trump convidou Vladimir Putin para uma cimeira a realizar-se em Washington no outono. As instruções para o convite foram dadas na sequência da cimeira que juntou os presidentes dos Estados Unidos e da Rússia em Helsínquia, na Finlândia, esta semana. O diretor dos Serviços Secretos norte amerinacdo, Daniel Coats, foi apanhado de surpresa pelo o anúncio, durante uma entrevista televisiva, e nem disfarçou: “Pode repetir?”.

A informação foi avançada pela assessora de imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders na rede social Twitter. Os contactos para este novo encontro entre os dois chefes de Estado ainda estão a ser desenvolvidos com a intervenção de John Bolton, o conselheiro de segurança nacional. Putin já esteve no Texas e em Nova Iorque, mas esta poderá ser a sua primeira visita à Casa Branca.

O anúncio surge uma hora depois do Senado liderado pelo Partido Republicano ter censurado o presidente americano por ter considerado o pedido feito por Vladimir Putin para interrogar responsáveis norte-americanos, dando mais força ao desconforto nos Estados Unidos com a relação de Trump com o presidente russo na sequência da cimeira da Finlândia.

O diretor nacional dos serviços secretos norte-americanos soube desta intenção do presidente Trump quando estava a ser entrevistado, em direto, para a NBC. E a reação foi de indisfarçável surpresa. Daniel Coats começou por pedir à entrevistadora se podia repetir a informação que acabara de dar, sobre a notícia de última hora que chegava via twitter. Depois riu-se, disse que tinha ouvido à primeira, respirou fundo e disse: “Ok, isso vai ser especial”. Coats sublinha que não há nada que aconteça na Rússia que Putin não saiba ou não tenha mesmo ordenado.

O diretor da National Intelligence, um organismo de segurança interna que funciona ao nível do Governo, admitiu ainda desconhecer o que Donald Trump disse a Vladimir Putin.

Tem razão. Não sei o que aconteceu no encontro”, reconheceu em declarações à cadeia televisiva NBC. Apesar de considerar que o Presidente tem o direito de decidir como pretende conduzir o encontro, sublinha que o teria aconselhado a não o fazer.

Se me tivesse perguntado como deveria ser conduzido, teria sugerido um caminho diferente. Mas esse não é o meu papel, não é a minha função. É o que é”.

Esta segunda-feira, o responsável pelos serviços de informação divulgou um comunicado de suporte á conclusão dos serviços de informação dos Estados Unidos de que a Rússia interferiu nas eleições de 2016 que elegeram Trump. Afirmou ainda que gostaria de ter visto um tom diferente por parte do Presidente dos Estados Unidos na sua “extraordinária” conferência de imprensa com Putin que demorou 46 minutos.

Numa resolução aprovada esta quinta-feira, os senadores apelaram aos Estados Unidos para recusar a possibilidade de responsáveis americanos virem a ser colocados à disposição para eventuais interrogatórios conduzidos pelo Governo de Putin. Minutos antes da votação, que foi esmagadora, Sara Sanders tinha divulgado um comunicado em que era recusada a pretensão russa.

A intenção de convidar o presidente russo é revelada ainda no rescaldo dos ataques de que Trump foi alvo nos Estados Unidos por causa da relação amistosa que mostrou para com Vladimir Putin e por ter considerado que a Rússia já não era uma ameaça, contrariando a posição das agências de segurança americanas.

Artigo atualizado com a informação relativa à reação do diretor dos serviços secretos norte-americanos

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Eleições Espanha 2015

Nem tudo vale na política

Dantas Rodrigues

Oportunismos como o da candidatura de Manuel Valls em Barcelona é que degradam a imagem da política e alimentam a propagação de partidos populistas sejam eles de extrema-direita ou de extrema-esquerda

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)