A mais recente edição do GoldRush Rally, que ligou Boston, no estado de Massachusetts, a Las Vegas, no Nevada, num percurso com cerca de 4.500 km, contou com uma série de participantes, a esmagadora maioria em carros de sonho. Apesar da denominação, não é bem um rali e muito menos uma competição, pelo menos em que a potência ou comportamento dos carros estejam envolvidos, pois além da decoração da máquina mais vibrante, as “corridas” mais populares limitam-se a concursos do tipo miss t-shirt molhada ou a ver quem bebe mais canecas de cerveja num minuto. E sem grandes abusos em matéria de velocidade, pois as autoridades nos EUA têm uma política de tolerância zero para quem ultrapasse, garantindo multas pesadas e tempo de cadeia para os mais optimistas.

Finda a festa, os participantes rumaram a casa e foi aí que começaram os problemas para o condutor de um belo Lamborghini Huracán Performante, pintado num azul forte e ainda com as decorações do GoldRush Rally. Depois de percorrer cerca de 2.500 km, quando parou para atestar (certamente pela enésima vez) nos arredores de Saint Louis, no Missouri, assistiu enquanto pagava à destruição do seu Lamborghini, sem que existisse qualquer explicação para o facto.

Os bombeiros intervieram rapidamente, mas pouco ou nada havia a fazer para salvar o Huracán (onde tinha acabado de colocar 83 litros de gasolina) e a bomba de combustível onde tinha abastecido, ambos irremediavelmente destruídos.

View this post on Instagram

Yes, that was myself and my friend with the two Lamborghinis at the gas station last night. We were out driving for a bit and I needed to go get gas. The blue Lamborghini pulled up right behind me. He decided to go in to get us waters and while I was trying to pay for my gas at the pump there was a card error, so I also went inside. As soon as we walked in, we saw a massive fireball out the window. We all ran out of the gas station to the other side of the road. At this point, we had no idea what happened or who’s car(s) were on fire. We dialed 911 and when the fire was out you could see that his car was completely burned down, ours just covered in ash. While talking to police and firefighters a man ran up and said he saw what happened. He was recording the cars to show his friends and caught a guy driving off with a gas pump still in his car. The pump sprayed fuel directly into the Huracan’s engine bay and it instantly ignited. Police found the guy that did it and everything will be taken care of. Just thankful we all got away safe and it didn’t escalate into a bigger fire. Video of the van – swipe left

A post shared by Parker Gelber (@parker.rp.exotics) on

O dono do Huracán, que viajava acompanhado de uns amigos, estes ao volante de um Lamborghini Spyder, viria a descobrir depois o que o levou a despedir-se do seu coupé que lhe tinha custado quase 400 mil dólares. Em conversa com as muitas testemunhas que frequentavam a estação de combustível naquele momento – e uma delas filmava mesmo o Huracán azul segundos antes de este ser engolido pelas chamas –, as autoridades apuraram que, no outro lado da mesma bomba em que se abasteceu o Lamborghini azul, estava a abastecer um monovolume que tinha ao volante um indivíduo descrito por uns como uma criança e por outros como um jovem. Ora as imagens confirmam que o jovem decidiu arrancar quando ainda estava a abastecer, arrancando a mangueira da bomba e arrastando-a ainda ligada ao carro. O combustível que saiu da bomba encharcou rapidamente a zona, tendo-se incendiado pela proximidade ao escape ainda quente do Lamborghini que, por ser muito baixo, tem o escape necessariamente muito próximo do solo.

A boa notícia – se é que é possível existirem boas notícias quando alguém perde um carro deste valor, sobretudo sem ser por culpa própria – é que não houve feridos. Mas, para o condutor, a possibilidade de atribuir a destruição de seu carro a alguém foi um caso óbvio de bonança depois da tempestade. Diz quem estava presente que assim que visionou as imagens, o dono do Huracán dirigiu-se ao condutor do monovolume, gritando-lhe: “Deves-me 400.000 dólares”.