Rádio Observador

Música

Novo recinto do Marés Vivas em Gaia agrada pelo “espaço, paisagem e acessibilidades”

A 12.ª edição do Festival Marés Vivas, em Vila Nova de Gaia, arrancou na sexta-feira num novo recinto, cinco vezes maior do que o anterior, surpreendendo positivamente os visitantes.

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A 12.ª edição do Festival Marés Vivas, em Vila Nova de Gaia, arrancou na sexta-feira num novo recinto, cinco vezes maior do que o anterior, surpreendendo positivamente os visitantes “pelo espaço, pela paisagem e pelas acessibilidades”.

A 500 metros do anterior recinto, a nova localização do evento, na Antiga Seca do Bacalhau, agradou à maioria dos festivaleiros que lotaram o recinto, sobretudo pela “vista de rio e mar”.

“É espetacular. A vista é melhor do que o outro recinto porque se vê o rio e o mar, tornando o espaço mais agradável”, disse à Lusa Filipa Veloso, de Canidelo, Vila Nova de Gaia, que vem pela segunda vez ao Marés Vivas.

Apesar dos elogios, Filipa Veloso apontou apenas como único “senão”: o vento que, neste novo espaço, se faz sentir com mais intensidade.

O vento também foi apontado por Arminda Adelaide, que veio do Porto, como um dos problemas.

“É mais ventoso, mas mais bonito do que o anterior, no entanto, para quem não conhece, é mais difícil de chegar”, referiu, acrescentando que a “ajuda do GPS” foi fundamental.

Repetente no festival, Maria dos Santos contou que a dificuldade em chegar foi “a mesma”, dada a proximidade com o antigo.

Elogiando a facilidade em circular no espaço, Maria dos Santos afirmou gostar mais deste por ser “mais amplo”.

Opinião diferente mostrou António Manuel que admitiu gostar mais da antiga localização, considerando a atual mais confusa.

“A outra vista era melhor, apesar deste recinto ser mais espaçoso”, afirmou.

Além de ser cinco vezes maior do que o anterior, o novo recinto do Marés Vivas tem o dobro da capacidade, tem mais palcos e espaços verdes.

A banda ‘funk’ e ‘acid jazz’ Jamiroquai, formada em 1992, foi a maior atração da noite para os festivaleiros e não desiludiu.

De regresso a Portugal, depois de terem atuado no Festival Sudoeste em agosto do ano passado, os Jamiroquai puseram o público a cantar e a bater palmas ao som dos temas do seu novo álbum “Automaton”.

Na primeira fila do palco principal eram muitas as pessoas que homenageavam o cantor Jay Kay, que lidera a banda, utilizando a sua imagem de marca, o capacete de penas.

“Obrigada, Porto”, despediu-se o artista, única palavra que aprendeu em português.

Já os norte-americanos Goo Goo Dolls, pela primeira vez em Portugal, tinham um léxico maior, elogiando, em português, as mulheres bonitas e perguntando, por diversas vezes, se o público percebia inglês e o seu mau português.

“Esta música é para vocês”, referiu John Rzeznik durante a atuação, que antecedeu os cabeça-de-cartaz.

Para terminar o concerto, os Goo Goo Dolls impuseram silêncio ao público com o seu maior êxito, a canção “Íris”.

A noite terminou com o cantor português de reggae Richie Campbell que apresentou a sua nova `mixtape´ “Lisboa”, lançada a 02 de fevereiro.

O segundo dia do Marés Vivas conta em palco com David Guetta, Kodaline, The Black Mamba e Carolina Deslandes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)