Meia hora antes de dar o concerto mais celebrado do último dia do festival Super Bock Super Rock, Benjamin Clementine estava bem disposto. Sentia-se “sortudo e afortunado” por ser um caso de tão grande sucesso em Portugal. O concerto deste sábado foi o 14º do músico no país em apenas três anos. Um número pouco habitual para um artista estrangeiro. “O público português é mesmo específico e é muito especial. Não estou a inventar, é verdade. É o que é, e nem eu consigo perceber bem porquê”, garantiu Clementine em conversa com o Observador antes de subir ao palco da Altice Arena.

A conversa foi a última que o cantor e compositor inglês teve com os jornalistas antes do concerto. Como as anteriores, foi curta e apressada pelo horário apertado. Mas os poucos minutos disponíveis antes do espetáculo permitiram-lhe dar um abraço ao rapper Stormzy, que tinha acabado de atuar pouco antes e que o quis saudar nos corredores do backstage. “É bom ver-te, meu. Vais tocar agora?”, perguntou o compatriota de Clementine, nascido em Croydon, no sul de Londres. “Sim, daqui a poucos minutos”, respondeu o cantor. “Porreiro, vou descer para te ver”, prometeu o outro. Ao mesmo tempo, os performers da companhia espanhola La Fura Dels Baus aqueciam e aliviam o stress pelos corredores da Altice Arena.

Apesar do grande carinho do público português, que Clementine reconheceu ter crescido com “um anúncio da Super Bock que tinha essa canção e que ajudou a que as pessoas me conhecessem ainda mais”, o músico evita pensar demasiado nas reações dos fãs. Tanto assim é que, depois de um primeiro álbum de grande sucesso, At Least For Now, que venceu inclusivamente o prestigiado prémio musical Mercury, Benjamin Clementine arriscou. Fugindo aos instrumentos habituais, tirando alguma da predominância que o piano tinha nas suas canções, Clementine começou a compor temas mais experimentais, com recurso ao cravo. O objetivo era usar um instrumento europeu para servir canções sobre uma Europa em crise (social, política, humanitária). Daí nasceu o seu segundo disco, I Tell a Fly.

Perguntámos-lhe se foi difícil conciliar a vontade de ser ouvido com a procura de uma nova sonoridade, menos próxima da pop atual: “Como artista, só podes fazer aquilo que tens mesmo de fazer. São as pessoas que escolhem se acolhem ou não a tua música. Os portugueses parecem entender a minha, que não é radiofónica nem comercial. Não perco tempo a pensar sobre quem está a ser mais ouvido na rádio. Não sou esse tipo de artista, não é isso que me interessa”, respondeu.

Um bom concerto na sala errada

O concerto não trouxe grandes novidades face a atuações anteriores. Houve boas canções, um performer com perfeito controlo sobre o piano, que toca com grande virtuosismo, e uma envolvência agradável com a banda que o acompanha. Esta inclui um baterista, um guitarrista e um pequeno grupo de músicos nos instrumentos de cordas, com o violino em grande destaque, a acrescentar alguma opulência erudita às canções.

A Altice Arena não estava cheia. O público presente no concerto de Benjamin Clementine não era muito superior àquele que estava na sala no final dos concertos de abertura dos dias anteriores (tributo a Zé Pedro e, em especial, Slow J). O que revelou desde logo a reduzida afluência ao último dia de Super Bock Super Rock, que, em abono da verdade, não tinha muitos chamarizes além do concerto do inglês.

28 fotos

Benjamin Clementine não pareceu importar-se muito com os espaços vazios na plateia e nas bancadas, estas últimas mais bem compostas. Afinal, um concerto de Clementine não precisa de ser visto de pé. Não há saltos nem mosh, há intimidade partilhada entre músico e público. Aos fãs, o cantor dirigiu algumas palavras em português e ainda palavras como “obrigado”, “Portugal” e “Lisboa”, proferidas durante o concerto e por vezes até cantadas durante as canções.

No ecrã atrás do palco, iam surgindo imagens de crianças, refugiados, vítimas de guerras antigas e recentes. Eram a melhor base visual para as canções interventivas de Clementine e para a sua voz portentosa, que sobrevive até sem música, como provou o cantor em algumas canções entoadas a capella. A certa altura, Clementine convidou Ana Moura, a cantora “mais elegante e mais bonita”, para cantar “I Won’t Complaint”. Um convite que costuma endereçar a músicos de vários países porque, explicou ao Observador, gosta “de abraçar músicos do sítio” em que toca, “músicos locais”. Os músicos, lembrou, “têm de ultrapassar dificuldades” e a união faz a força.

Já com o concerto avançado, Clementine dedicou o hino “Condolences”, cantado por todos, a “uma senhora que morreu”, presumivelmente a sua avó. “Phantom Of Aleppoville” resulta sempre muito bem ao vivo e foi outro dos destaques da noite. Mas foi “Jupiter”, uma grande canção, que elevou o concerto e o entusiasmo da assistência. Até a Benjamin Clementine, que a cantou de sorriso rasgado.

De mão dada com o baterista, o inglês começou a percorrer um corredor pelo público passando o microfone às pessoas para cantarem o verso “The decision is mine”, do tema “Adiós”. Foi uma boa despedida de um concerto que só pecou pela dimensão da sala, demasiado grande para Benjamin Clementine e sem uma acústica e proximidade com o público adequadas para a sua música. Clementine é muito melhor em salas fechadas do que em festivais de verão. A prova? O facto do inglês ter sido obrigado a pedir para a plateia se calar, a meio da atuação. Nada que faça com que o longo romance do músico com Portugal termine em divórcio. Afinal, uma mensagem nos ecrãs com uma citação sua reforçava isso mesmo: “Eu vou-me lembrar de Portugal para sempre”.