Afeganistão

General Dostum, senhor da guerra no Afeganistão, voltou a Cabul

O general Abdul Rashid Dostum, temido e poderoso senhor da guerra do norte do Afeganistão e primeiro vice-presidente, regressou a Cabul após um ano de exílio. Foi recebido como um herói.

JALIL REZAYEE/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O general Abdul Rashid Dostum, temido e poderoso senhor da guerra do norte do Afeganistão e primeiro vice-presidente, regressou este domingo a Cabul após um ano de exílio e foi recebido como um herói.

O avião fretado pelo governo afegão para o transportar de Ancara aterrou no aeroporto internacional de Cabul às 16:30 (13:00 em Portugal), onde o aguardavam uma fila de oficiais e apoiantes entusiastas.

Pouco depois da chegada de Dostum foi ouvida uma forte explosão perto do aeroporto, de onde acabara de sair o general, que, no entanto, não foi atingido, constatou a agência France Press no local.

Dostum, que deve retomar as funções de vice-presidente apesar das acusações de tortura e violação que o obrigaram a deixar o país em 2017, foi especialmente saudado por membros da comunidade usbeque com roupas tradicionais, antes de entrar para um jipe blindado e deixar o aeroporto sob escolta.

No aeroporto estiveram também o segundo vice-presidente Sarwar Danish e o ex-vice-presidente Ahmad Zia Massoud, irmão do já falecido comandante Ahmad Shah Massoud, várias vezes traído por Dostum. Presente também outra figura do norte, Atta Mohammad Noor, e o líder da comunidade xiita da minoria hazara, Mohammad Mohaqiq.

Atta, Massoud e Mohaqiq são as figuras de proa da oposição ao presidente Ashraf Ghani.

Dostum é o segundo senhor da guerra afegã a regressar à capital com honras depois de Gulbuddin Hekmatyar, conhecido como o “açougueiro da Cabul”, ter voltado em maio do ano passado, após 20 anos de exílio.

Dostum é um veterano de etnia uzbeque de décadas de agitação política no Afeganistão a quem a comunidade internacional acusa de, em 2016, ter capturado o rival político Ahmad Eshchi, a quem submeteu a espancamentos, tortura e violação sexual. Antes também já tinha sido acusado de sérios abusos de direitos humanos e é acusado de, em 2001, ter fechado milhares de talibãs em contentores onde os deixou morrer asfixiados.

No ano passado deixou o país em direção à Turquia, supostamente para tratamento médico, e voltou agora com grandes manifestações de apoio.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)