Rádio Observador

Açores

Ordem dos Médicos denuncia falta de enfermeiros no maior hospital dos Açores

A Ordem dos Médicos nos Açores denunciou que faltam enfermeiros instrumentistas no Hospital Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada, situação que tem provocado "cancelamento" de cirurgias.

MARIO CRUZ/LUSA

A presidente do conselho médico da Ordem dos Médicos nos Açores denunciou esta segunda-feira que faltam enfermeiros instrumentistas no Hospital Divino Espírito Santo (HDES), em Ponta Delgada, situação que tem provocado “cancelamento” de cirurgias.

“Infelizmente, nós temos salas de bloco operatório canceladas por falta de enfermeiros e isso é uma coisa muito grave numa região que tem tantos doentes à espera de ser operados”, avançou Isabel Cássio esta manhã, na delegação do parlamento açoriano, em Ponta Delgada.

A presidente do Conselho Médico da Ordem dos Médicos nos Açores falava aos jornalistas depois de ter sido ouvida na comissão permanente de Assuntos Sociais da Assembleia Legislativa Regional dos Açores (ALRAA) acerca de um projeto de resolução do PSD/Açores para a reabertura das salas de cirurgia nos centros de saúde de Ponta Delgada e Ribeira Grande.

“Não há falta de enfermeiros no mercado para serem contratados e aproveito a oportunidade para fazer esse apelo: eu sei que cancelar salas de bloco operatório por falta de anestesiologistas é um problema muito difícil de resolver porque eles não existem e não estão disponíveis para serem contratados, cancelar salas de bloco operatório por falta de enfermeiros parece-me verdadeiramente grave”, disse.

Isabel Cássio sugere que sejam contratados enfermeiros recém-licenciados para “substituir enfermeiros noutras áreas” do HDES, de forma a que os enfermeiros mais experientes possam ser transferidos para o Bloco Operatório para poderem fazer uma formação que “demora entre seis meses a um ano”.

Acerca da proposta do PSD/Açores, que visa a reabertura das salas de pequena cirurgia nos centros de saúde de Ponta Delgada e Ribeira Grande, após seis anos de interregno, a presidente do Conselho Médico da Ordem dos Médicos nos Açores diz que pode ser uma boa solução para “doentes” e para salvaguardar “recursos de enfermagem para o bloco central, tão necessários”. “Aquilo que a Ordem dos Médicos defende sempre são os cuidados de proximidade dos doentes e a descentralização, evitando a entrada dentro do hospital que se deve reservar para situações mais graves e de procedimentos agudos. Nesse contexto, parece-nos perfeitamente exequível que as pequenas cirurgias, e estamos a falar de cirurgias que devem ser feitas por cirurgiões, mas que não precisam da presença de um anestesiologista, possam ser feitas em unidades de saúde que tenham condições para tal”, afirmou.

Isabel Cássio recorda que essa medida poderá reduzir a lista de espera cirúrgica do maior hospital dos Açores. “Se em relação às cirurgias mais complexas não podemos retirá-las da sua efetuação dentro do hospital, as pequenas cirurgias seriam perfeitamente exequíveis fora dessa realidade”, lembrou.

Segundo o PSD/Açores, a reabertura das salas de cirurgia nos dois centros de saúde da ilha de São Miguel poderia fazer face “ao número crescente de inscritos para pequena cirurgia ao longo dos últimos meses”, sendo que, no final de maio, eram cerca de 1.500 os inscritos. Os social-democratas referem ainda que seria necessário um investimento de apenas 200 mil euros para equipamentos e sugerem, em termos de recursos humanos, que sejam feitos contratos de prestações de serviços com “jovens médicos” ou “médicos reformados”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)