As dúvidas acerca dos processos disciplinares instaurados pela Comissão de Fiscalização do Sporting aos ex-dirigentes leoninos Bruno de Carvalho e Carlos Vieira e, consequentemente, sobre a legalidade das suas candidaturas às eleições presidenciais do clube, estão prestes a chegar ao fim, segundo avança a edição impressa do jornal O Jogo. 

De acordo com o desportivo, a última sessão de inquéritos às testemunhas dos dois dirigentes destituídos do Conselho Diretivo do Sporting na última AG do clube (23 de junho) está marcada para 31 de julho, sendo que a decisão final do processo será tomada nos dias seguintes à sua conclusão. Segundo O Jogo, a decisão deverá passar por um ano de suspensão do estatuto de sócio de Bruno de Carvalho e Carlos Vieira, impossibilitando assim as candidaturas dos dois ex-dirigentes às eleições de 8 de setembro. 

O desportivo garante, ainda, que os processos estão a ser conduzidos de uma forma normal e dentro do prazo estipulado pela Comissão de Fiscalização, não havendo lugar a qualquer antecipação da conclusão do processo motivada pelas ações de campanha levadas a cabo pelo ex-presidente do Sporting, Bruno de Carvalho.

Núcleos do Sporting estão a ser notificados para não receberem ações de Bruno de Carvalho e Carlos Vieira

De recordar que Bruno de Carvalho, numa atitude contrária à tomada pelo seu antigo vice-presidente, Carlos Vieira, ignorou o comunicado enviado pela Comissão de Gestão aos núcleos do clube, onde ficava expresso que “fazendo parte da família do nosso Sporting Clube de Portugal, não podem nem devem admitir ações de propaganda, campanha ou outras por parte de quem está legalmente suspenso”, tendo, no último domingo, marcado presença nos núcleos do Sporting de Bucelas e da Nazaré.

O ex-presidente leonino, que tinha anunciado uma recolha de assinaturas para a passada segunda feira com o objetivo de convocar uma nova Assembleia-Geral, a marcar antes de dia 8 de agosto, para que todas as candidaturas possam ser aprovadas com “garantia da democracia, liberdade eleitoral e devolução do poder de decisão aos sócios”, viu dezenas de sócios aderirem ao seu pedido e assinarem a petição, junto ao Pavilhão João Rocha.

Já depois desse evento, Bruno de Carvalho marcou presença num esclarecimento aos jornalistas, onde garantiu que, tendo em conta a suspensão de que é alvo, já avançou com algumas providências cautelares, sendo que uma delas tem como objetivo impugnar a Assembleia destitutiva de dia 23 de junho. A intenção de impugnar a Assembleia Geral já tinha sido expressa por Bruno de Carvalho, no dia seguinte à sua destituição, em publicação feita no seu Facebook. “Eu vou impugnar, como sócio, esta AG e vou a eleições. E se estes tipos da putativa comissão disciplinar me quiserem expulsar de sócio, dia 30 encontramo-nos na AG pois tenho direitos que não vou abdicar! Chega de afinações!”, escreveu, na altura, Bruno de Carvalho.

Bruno de Carvalho quer nova AG que autorize a sua recandidatura à liderança do Sporting

Em declarações à comunicação social, Bruno de Carvalho garantiu estar confiante de que poderá candidatar-se, não só pela providência cautelar que já fez seguir, mas também por considerar a sua suspensão “ilegal”. “Com certeza absoluta de que vou poder ir a eleições. Se os sportinguistas me quiserem dar a honra de continuar um projeto que tornou o Sporting novamente na maior potência desportiva nacional, com os resultados financeiros mais positivos de sempre, com o melhor ano de sempre de resultados desportivos nacionais e europeus…”, afirmou o ex-presidente, explicando o outro lado da moeda: “Se não me quiserem dar essa honra e esse prazer, de poder viver o Sporting durante 24 horas, irei continuar a minha vida como associado, adepto, acionista, pai, filho, gestor e economista, que é aquilo que sou”.

Questionado sobre se a Comissão de Gestão terá receio de um possível resultado da sua candidatura caso esta vá até às eleições de 8 de Setembro, Bruno de Carvalho fala de uma candidatura forte e de vingança. “Tem duas vertentes. A primeira é que não lhes está a correr nada bem a nível se sondagens porque somos uma candidatura muitíssimo forte. E a segunda é vingança pura. Mexi em demasiados interesses e a vingança está a ser servida fria. Mas como não sou um homem de desistir vão ter de esforçar-se um pouco mais”, responde o ex-presidente.

Para esta terça feira, Bruno de Carvalho tem marcada uma sessão de esclarecimento no Núcleo do Sporting Clube de Portugal de Setúbal, onde voltará a contornar as indicações dadas pela Comissão de Gestão aos núcleos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR