Rádio Observador

Angola

Pescadores angolanos ilesos recordam 28 dias de angústia em alto mar

Uma avaria no motor e o fim da carga das baterias e do gerador levou a uma pequena embarcação à deriva, ao sabor das correntes marítimas, pouco depois de terem deixado a ilha de Luanda.

AMPE ROGÉRIO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Felizes e aliviados, os pescadores angolanos que estiveram desaparecidos no mar alto quase um mês afirmaram esta quarta-feira à agência Lusa, em Luanda, que foi “graças às sucessivas orações” que acabaram por dar à costa do Gabão, onde chegaram ilesos.

De regresso, domingo, à ilha de Luanda, depois de desaparecidos durante 28 dias no mar, e de terem permanecido mais 11 em território gabonês – passaram vários dias a pé até encontrarem ajuda -, os oito pescadores recorreram a Deus para explicar a razão pela qual o desespero não tomou proporções maiores.

Uma avaria no motor da embarcação e o fim da carga das baterias e do gerador levou a pequena embarcação à deriva, ao sabor das correntes marítimas, pouco depois de terem deixado a ilha de Luanda para uma faina que deveria ser de apenas uma semana.

Distante da família, perdido em alto mar e clamando a “Deus pela vida” esteve o pescador Armando Lembe, capitão da embarcação, que, em 26 anos de ofício, disse nunca ter enfrentado uma situação do género. “Já tivemos ocasiões de estarmos perdidos três ou quatro dias, mas, desta vez, foi pior. Tivemos a avaria no motor do barco, as baterias e o gerador ficaram sem carga e aí não conseguimos superar o motor”, contou à Lusa.

Questionado sobre as dificuldades enfrentadas no decurso dos 28 dias, o “mestre” da embarcação, de 57 anos, sublinhou que viveu “dias difíceis”, lembrando que as orações “multiplicavam-se diariamente” por receio de perder a vida. “É claro que tivemos muito receio de perder a vida. Fomos andando apenas ao sabor do vento em busca de terra e só ao fim de 28 dias é que conseguimos alcançá-la”, explicou.

“Graças a Deus, a orar, chegámos ao Gabão, porque era apenas a correnteza que nos guiava, com a ajuda da vela que metemos na proa. Rezávamos para sairmos dali com vida e assim chegámos [à costa do Gabão]”, acrescentou.

Também Pedro Sangueve, 32 anos, pescador, destacou os “dias difíceis” passados a bordo e as constantes preces a Deus para os levar a um porto feliz. “Sempre que vamos ao mar fazemos cerca de uma semana, mas desta vez foi grave, porque com a avaria não conseguimos regressar. Daí que permanecemos perdidos 28 dias, e depois mais 11 dias já no Gabão, onde as autoridades locais resolveram todas as questões burocráticas para o nosso regresso ao país”, enfatizou.

“Lá [no Gabão] fomos bem recebidos, tivemos assistência médica, devido também ao que percorremos em terra à procura de ajuda. Houve ocasiões que alguns colegas desmaiaram”, recordou. De regresso ao país, e agora junto das famílias, os dois pescadores mostraram-se aliviados por tudo ter terminado em bem, destacando, tal como sublinhou Armando Lembe, também o “grande apoio” da embaixada de Angola no Gabão.

“Foi bom regressar ao país e estar junto da família”, concluiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)