Bens de Consumo

Lucros da Nestlé cresceram 19% para 5.016 milhões de euros no 1.º semestre

O aumento resultou principalmente de receitas de vendas de negócios, impostos mais baixos e melhor atividade operacional, disse a empresa com sede em Vevey, na Suíça.

LAURENT GILLIERON/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A multinacional suíça Nestlé obteve um lucro líquido de 5.016 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, um aumento de 19% em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo dados da companhia.

O aumento foi principalmente resultado de receitas de vendas de negócios, impostos mais baixos e melhor atividade operacional, disse a empresa com sede em Vevey, na Suíça, acrescentando que as vendas aumentaram 2,3% entre janeiro e junho, para 37.821 milhões de euros.

Todos os ramos de negócios cresceram, liderados pelo café, pelos animais de companhia (pet care) e pela Nestlé Ciência e Saúde. Já os alimentos para crianças e bebés tiveram uma aceleração no crescimento, “com uma grande melhoria em toda a geografia no lançamento de novos produtos”, disse a empresa. O crescimento das vendas subiu sobretudo na América do Norte e na China, de acordo com a Nestlé.

Em relação ao lucro operacional da multinacional, os valores chegaram aos 6.631 milhões de euros, 19% mais, enquanto o lucro antes dos impostos atingiu os 6.333 milhões de euros, o que representa também um aumento de 19% O fluxo de caixa livre aumentou 52% no primeiro semestre do ano, passando de 1.636 milhões para 2.497 milhões de euros.

A Nestlé confirmou ainda as perspetivas para o conjunto do ano fiscal, em que espera um crescimento das vendas na ordem dos 3%. Os cortes de restruturação, sem incluir perdas de ativos fixos, litígios e contratos onerosos, rondaram os 603 milhões de euros, indicou a empresa.

O presidente da multinacional suíça, Mark Schneider, sublinhou que o resultado dos seis primeiros meses do ano confirma que as suas iniciativas estratégicas e a sua execução rigorosa “estão claramente a dar resultados”. “A Nestlé manteve o crescimento orgânico encorajador que observámos no início do ano e, em particular, os mercados norte-americano e chinês mostraram uma melhora significativa”, destacou Schneider.

O responsável foi recentemente criticado pelo fundo de investimento Third Point, controlado pelo investidor ativista dos EUA Daniel Loeb, que considera a sua estratégia de negócios “confusa” para aumentar o valor do negócio para os acionistas. Segundo a imprensa suíça, Loeb considera, entre outros argumentos, que a empresa, que iniciou uma estratégia de transformação com a chegada de Schneider, no início de 2017, não descola com a rapidez suficiente dos negócios e atividades que não crescem ou são menos lucrativas.

Isso apesar das medidas promovidas por Schneider, como a recompra de ações, a aquisição de direitos para a Starbucks de comercializar fora dos seus estabelecimentos os produtos de café e chá da maior cadeia de cafetarias do mundo ou a compra de empresas com rápido crescimento, como a Blue Bottle Coffee.

“A nossa evolução em termos de margens está alinhada com a nossa meta para 2020 e estamos a criar valor procurando crescimento e lucro de forma equilibrada. Acelerámos os nossos esforços de inovação de produtos para impulsionar ainda mais o crescimento e iniciámos uma redução significativa de custos, especialmente na área da Europa, Oriente Médio e Norte da África e no nosso centro corporativo”, salientou hoje Schneider.

A Nestlé indicou também que o processo para estudar opções estratégicas para o futuro do negócio de Seguros de Vida Gerber “está no caminho certo” e que uma decisão final é esperada ao longo deste ano.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)