Rádio Observador

País

Sindicato diz que greve de tripulantes de cabine da Ryanair teve adesão de 70% em Portugal

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil anunciou que a greve de dois dias dos tripulantes de cabine da companhia aérea Ryanair teve uma adesão de 70% em Portugal.

FERNANDO VILLAR/EPA

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) anunciou que a greve de dois dias dos tripulantes de cabine da companhia aérea Ryanair, que terminou esta quinta-feira, teve uma adesão de 70% em Portugal.

Em comunicado, o SNPVAC refere que na quarta-feira foram cancelados 30 dos 51 voos com descolagem prevista das quatro bases operacionais que a transportadora de voos de baixo custo irlandesa utiliza em Portugal – aeroportos de Lisboa, Faro, Porto e Ponta Delgada.

Em relação a esta quinta-feira, o sindicato sublinha que a “percentagem de adesão à greve manteve-se nos mesmos níveis” de quarta-feira. Segundo o comunicado, em Lisboa foram cancelados seis dos dez voos planeados, em Faro houve nove voos cancelados em 15 planeados e no Porto 13 voos foram cancelados em 22 planeados.

O SNPVAC acrescenta que os dois dias de greve “tiveram um enorme impacto a nível europeu”, pois, além de Portugal, esta paralisação afetou Espanha, Bélgica e Itália (apenas na quarta-feira).

Nestes países a adesão à greve “foi igual” nos dois dias. Em Itália, país onde a Ryanair opera a partir de 16 aeroportos, houve 159 voos cancelados, representando uma adesão de 75%, indica a nota, salientando ter havido serviços mínimos decretados pelo Governo italiano.

Em Espanha, país no qual a companhia aérea tem 13 bases operacionais, “existiram serviços mínimos impostos pelo Governo espanhol, o que correspondeu a 194 voos efetuados”. O sindicato esclarece que à exceção desses voos, os restantes, 204, foram todos cancelados.

Segundo dados do SNPVAC, na Bélgica, país onde a companhia opera a partir de dois aeroportos, não existiram serviços mínimos. No aeroporto de Bruxelas a taxa de adesão foi de 90% (cancelados 10 em 11 voos programados) e no aeroporto de Charleroi a adesão à greve foi de 70% (cancelados 26 voos em 39 programados).

“Foi um acontecimento histórico a nível de união entre sindicatos e trabalhadores de vários países. A transversalidade dos motivos é óbvia e a paralisação tornou-se a única forma de os tripulantes fazerem com que se olhasse para a sua realidade e para as arbitrariedades a que estão permanentemente sujeitos”, justifica o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil.

O sindicato diz que os tripulantes de cabine “continuam disponíveis para o diálogo e na disposição de encontrar caminhos e soluções”, mas avisam que a luta é para continuar.

“Os tripulantes não desistiram, nem vão desistir da sua luta; os tripulantes deixaram de ter medo das retaliações com que a Ryanair permanentemente os ameaça; os tripulantes permanecem unidos e mais países se juntarão a esta união; os tripulantes negam-se a deixar-se enganar e sofrer deste ‘bullying’ laboral por mais tempo”, frisa o comunicado.

A Ryanair tem estado envolvida, em Portugal, numa polémica desde a greve dos tripulantes de cabine de bases portuguesas por ter recorrido a trabalhadores de outras bases para minimizar o impacto da paralisação, que durou três dias, no período da Páscoa. A empresa admitiu ter recorrido a voluntários e a tripulação estrangeira durante a greve.

A decisão de partir para a greve europeia foi tomada em 05 de julho numa reunião, em Bruxelas, entre vários sindicatos europeus para exigirem que a companhia de baixo custo aplique as leis nacionais laborais e não as do seu país de origem, a Irlanda.

Com a greve, os trabalhadores querem exigir que a transportadora irlandesa aplique a legislação nacional, nomeadamente em termos de gozo da licença de parentalidade, garantia de ordenado mínimo e que retire processos disciplinares por motivo de baixas médicas ou vendas a bordo dos aviões abaixo das metas definidas pela empresa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)