O Governo vai abrir concurso para a eletrificação da Linha do Douro até à Régua em 2019, uma obra que vai custar cerca de 100 milhões de euros, anunciou esta sexta-feira o ministro do Planeamento, Pedro Marques.

“No que respeita à ligação até à Régua, foi uma decisão deste Governo para que houvesse e estamos a concretizá-la”, afirmou, em declarações aos jornalistas. Falando após a cerimónia de consignação da empreitada da eletrificação entre Caíde e Marco de Canaveses, que se realizou em Marco de Canaveses, o governante disse que os projetos para o troço da Linha do Douro até ao Peso da Régua estão em fase de execução e que a abertura de concurso no início do próximo ano ou alguns meses depois vai depender da necessidade ou não de um estudo de impacte ambiental, matéria que está ainda em análise com a tutela do ambiente.

A empreitada abrangerá o troço entre as estações ferroviárias de Marco de Canaveses e de Peso da Régua, passando pelo concelho de Baião, e deverá também comportar a eliminação de algumas passagens de nível. Além da eletrificação daquele troço, também o que resta da linha do Douro, do Peso da Régua até à estação do Pocinho, vai receber vários melhoramentos, incluindo a reabilitação integral entre o Pinhão e o Tua.

O ministro anunciou um investimento de 21 milhões de euros para aquela intervenção. “Nós temos aqui cerca de 120 milhões de euros de investimento na Linha do Douro. Parece que é uma boa expressão de como nós não fazemos só investimentos na Linha do Norte ou nos corredores internacionais”, acentuou o ministro da tutela, concluindo: “Nós estamos a investir na espinha dorsal da nossa rede, mas também nas linhas regionais, porque acreditamos muito também no papel da ferrovia na coesão territorial”.

Os investimentos anunciados em Marco de Canaveses estão incluídos no “Programa de Modernização da Rede Ferroviária Nacional”.