Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Depois de um período de reflexão, a decisão está tomada: Luís Figo não será candidato às eleições para a presidência do Sporting, agendadas para 8 de setembro. A garantia foi dada por Tomás Froes, sócio da agência de marketing Partners, com quem o antigo internacional português terá ponderado a hipótese de integrar a corrida. Aliás, no dia 21 de julho, Tomás Froes comunicou que estava “a trabalhar com Luís Figo num projeto e numa visão global para o Sporting”, projetando uma possível candidatura que não se virá a confirmar.

“Emprestei as minhas capacidades pessoais e profissionais na construção desta solução, mas o Luís Figo entendeu, e eu concordo, que um projeto de fôlego geracional para o Sporting exige um tempo de maturidade incompatível com o apertado, mas entendível, calendário eleitoral”, explica Tomás Froes em comunicado.

Leia o comunicado na íntegra:

“Nas últimas semanas equacionei apoiar um projeto de candidatura ao Sporting Clube de Portugal no qual Luís Figo se empenhou de forma honrada e especialmente dedicada.

Emprestei as minhas capacidades pessoais e profissionais na construção desta solução, mas o Luís Figo entendeu, e eu concordo, que um projeto de fôlego geracional para o Sporting exige um tempo de maturidade incompatível com o apertado, mas entendível, calendário eleitoral.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Assim sendo, e vendo que não haverá vazios de soluções para liderar os destinos do Clube, decidi não me envolver neste ato eleitoral.

Estou convicto que no dia 8 de Setembro teremos uma demonstração de militância, união e paixão pelo Sporting Clube de Portugal e desejo a todos os candidatos, e ao futuro Presidente, a maior das sortes.

O Sporting e o futebol Português merecem”.

Figo não descarta candidatura à presidência do Sporting