Rádio Observador

Rapto

Meia centena de pessoas na vigília de português raptado em Moçambique

105

Cerca de 50 pessoas concentraram-se frente à embaixada moçambicana em Lisboa para apelar às autoridades para resgatarem o português Américo Sebastião, raptado há dois anos em Moçambique.

MIGUEL A.LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Cerca de meia centena de pessoas, entre família e amigos, concentraram-se hoje frente à embaixada moçambicana em Lisboa para apelar às autoridades para resgatarem o português Américo Sebastião, que foi raptado exatamente há dois anos em Moçambique.

“O que nós estamos aqui a fazer é lançar um apelo profundo às autoridades portuguesas e moçambicanas e dizer que queremos o Américo de volta”, disse à Lusa a mulher, Salomé Sebastião, empunhando um cartaz onde se lia: “Quero o meu marido de volta!”.

Por isso, continuou, a expectativa é que haja “um empenho profundo de Portugal e de Moçambique” até que Américo Sebastião, raptado em 29 de julho de 2016, seja encontrado e regresse para junto da sua família.

“Acho que realmente isto tem de ficar esclarecido, eu acredito que a forma de esclarecer é investigar realmente o que está a acontecer, investigar, dar um impulso às investigações” e “utilizar um recurso valioso” que tem sido oferecido, que é a ajuda portuguesa, prosseguiu Salomé Sebastião, ladeada de familiares e amigos que empunhavam cartazes com frases como “Queremos Portugal e Moçambique juntos na procura do Américo” ou “Queremos o Américo connosco”.

“O facto de estarmos aqui significa que o assunto não está esquecido e que o Américo tem de ser localizado, resgatado e devolvido ao seu país e à sua família. Estamos aqui presentes e firmes até que isso seja um objetivo atingido, não vamos desistir”, garantiu Salomé Américo, numa concentração onde estavam também o filho e a mãe do empresário e que juntou cerca meia centena de pessoas.

Por isso, acrescentou, é preciso que Moçambique colabore e encontre Américo Sebastião.

Salomé Américo agradeceu ainda o “empenho das autoridades portuguesas até ao momento, nomeadamente” do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que no sábado “manifestou publicamente o seu empenho e o continuado empenho no futuro até que tudo isto fique esclarecido”.

Na concentração marcaram também presença a eurodeputada socialista Ana Gomes e o ex-líder do CDS-PP José Ribeiro e Castro.

“É um caso humanitário extremamente importante, o desaparecimento de um português, um empresário em Moçambique, e de uma falta de cooperação das autoridades moçambicanas, não obstante todas as palavras no bom sentido não se têm visto ações”, mas antes a “recusa por parte das autoridades de Moçambique de aceitar a oferta por parte das autoridades portuguesas de ajuda por parte da Polícia Judiciária”, afirmou à Lusa Ana Gomes.

A eurodeputada recordou que a ajuda das autoridades portuguesas “já foi fundamental no passado para resgatar outros cidadãos também raptados”.

No entanto, “neste caso é muito preocupante que não haja a mesma abertura por parte das autoridades moçambicanas”, dando a sensação que há uma “estratégia de deixar que o tempo passe e que a família esmoreça”, disse, salientando que “a família tem sido admirável”.

As autoridades portuguesas, prosseguiu, “têm feito o que está ao seu alcance no sentido de persuadir as autoridades moçambicanas a uma cooperação efetiva” e, recentemente, o primeiro-ministro, António Costa, quando visitou Moçambique “levou este assunto na sua agenda de conversações ao mais alto nível.

“A informação que tenho é que o presidente Nyusi chutou para canto, chutou para o ministro da Justiça e, a verdade é que, de facto, não tem havido uma verdadeira cooperação. Isto preocupa-me, é sinal que há uma deterioração das condições de segurança em Moçambique”, apontou.

“Sabemos que é uma deterioração que tem a ver com o alastrar da corrupção, está a acontecer com cidadãos moçambicanos, que não têm a visibilidade [deste caso], precisamos mais do que palavras, precisamos de atos”, disse a eurodeputada.

O empresário português foi raptado numa estação de abastecimento de combustíveis, faz hoje dois anos, em Nhamapadza, distrito de Maringué, província de Sofala, no centro do Moçambique.

Segundo a família, os raptores usaram os cartões de débito e crédito para levantarem 4.000 euros, não conseguindo mais porque as contas foram bloqueadas logo que foi reportado o desaparecimento.

Em abril, o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, recebeu garantias de Moçambique de cooperação política para resolver o caso de Américo Sebastião. O assunto foi igualmente abordado num encontro entre José Luís Carneiro e a vice-ministra do Interior, Helena Kida, que prometeu também cooperação.

As autoridades moçambicanas nunca aceitaram as ofertas de apoio policial português para investigar o caso.

A eurodeputada Ana Gomes expôs o caso do desaparecimento de Américo Sebastião a Federica Mogherini, Alta Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança, que manifestou preocupação, frisando que “a situação em Moçambique está a ficar complicada do ponto de vista da segurança”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)