Incêndios

Vítimas mortais dos incêndios na Grécia sobem para 91 e há 25 desaparecidos

O número de vítimas mortais causadas pelos incêndios na Grécia subiu para 91 e 25 pessoas estão dadas como desaparecidas, seis dias após o fogo florestal mais mortífero da Europa em mais de 100 anos.

YANNIS KOLESIDIS/EPA

A porta-voz dos bombeiros, Stavroula Malliri, revelou este domingo pela primeira vez o número de desaparecidos, após críticas crescentes às autoridades pela omissão deste dado. As vítimas mortais causadas pelos incêndios na Grécia subiu para 91 e 25 pessoas estão dadas como desaparecidas. O balanço oficial anterior era de 88 mortos.

Entre estes devem figurar as 28 vítimas cujos corpos estão a ser examinados pelos médicos legistas, mas que ainda não foram identificados, disse à agência France-Presse o porta-voz da Proteção Civil grega, Spyros Goergiou.

De acordo com a representante dos bombeiros, este domingo foram identificadas 59 outras vítimas encontradas carbonizadas ou afogadas, quando se atiraram para o mar a tentar fugir das chamas. Entretanto, quatro feridos morreram no hospital, indicou.

É ainda incerto o número de crianças entre as vítimas mortais, mas são já conhecidos os casos de duas gémeas de nove anos, um irmão e uma irmã de 11 e 13 anos, um adolescente de 13 anos e um recém-nascido de seis meses.

Já foram identificadas quatro vítimas estrangeiras: um jovem irlandês, uma mãe e um filho polacos, e um belga, cuja filha adolescente sobreviveu. A controvérsia sobre a gestão da crise pelas autoridades também subiu este domingo, com a oposição de direita e centrista a acusar o Governo de inicialmente esconder as perdas humanas.

Os bombeiros também prosseguiram no domingo as investigações às causas do incêndio, sendo que as autoridades privilegiam a tese de mão criminosa. De acordo com o diário Kathimerini, um relatório preliminar avançava antes com a possibilidade de negligência criminosa, com um fogo aceso por um residente da área para queimar folhas e galhos mortos.

A vila de Mati, uma estância balnear próxima de Atenas, foi assolada por um incêndio na passada segunda-feira, que, segundo uma base de dados do Centro para a Investigação sobre Epidemiologia de Desastres, em Bruxelas, foi o fogo mais mortífero na Europa desde 1900.

A grande maioria das vítimas morreu devido às chamas, mas algumas pessoas perderam a vida no mar, quando tentavam fugir.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Três desafios para o 5.7

Alexandre Franco de Sá

Apesar das adversidades políticas, trata-se de despertar a direita acomodada e bocejante contra a hegemonia cultural de uma esquerda que, indisputada no espaço público, dociliza há décadas a sociedade

Deficientes

Adorável compromisso de lideranças /premium

Laurinda Alves

24 homens e mulheres que gerem 24 das maiores empresas que operam em Portugal assinaram um documento em que se comprometem a reforçar nas suas organizações a empregabilidade de pessoas com deficiência

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)