Zimbabué

Presidente do Zimbabué espera “pacientemente” resultados das eleições

O presidente do Zimbabué disse esperar "pacientemente pelos resultados" das eleições presidenciais de segunda-feira, depois de o líder da oposição reclamar "uma vitória brilhante".

STR/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente do Zimbabué, Emmerson Mnangagwa, disse esta terça-feira esperar “pacientemente pelos resultados” das eleições presidenciais de segunda-feira, que segundo a comissão eleitoral poderão ser anunciados esta tarde, depois de o líder da oposição reclamar “uma vitória brilhante”.

O chefe de Estado zimbabueano afirmou, através da sua conta na rede social Twitter, que as informações obtidas pelos seus representantes no terreno são “extremamente positivas”. Emmerson Mnangagwa referiu-se “encantado” pela elevada taxa de participação nas urnas.

Apesar de ainda não serem conhecidos os resultados das eleições, o líder da oposição, Nelson Chamisa, reclamou “uma vitória brilhante” no escrutínio. “Estamos prontos para formar o novo governo”, disse Chamisa na sua conta do Twitter.

A presidente da comissão eleitoral do Zimbabué admitiu entretanto que os primeiros resultados poderão ser conhecidos a partir das 15h00 desta terça-feira (14h00 em Lisboa). Priscilla Chigumba disse que a maioria das 11 mil assembleias de voto concluíram a contagem dos votos e que o processo de verificação está em curso. A responsável acrescentou que “a atmosfera permanece pacífica” no país e que a comissão não recebeu queixas relevantes sobre a forma como decorreu a votação. Chigumba afirmou que a comissão tem cinco dias para divulgar os resultados definitivos e pretende cumprir o prazo.

Segundo a Comissão eleitoral, a taxa de participação dos eleitores foi de cerca de 75% uma hora antes do encerramento das urnas na segunda-feira. Se nenhum candidato obtiver a maioria de votos será realizada uma segunda volta presidencial a 8 de setembro.

Emmerson Mnangagwa, de 75 anos, lidera o partido União Nacional Africana do Zimbabué-Frente Patriótica (ZANU-PF, na sigla inglesa) e chegou ao poder com o apoio dos militares em novembro de 2017.

Na segunda-feira realizaram-se as primeiras eleições desde a demissão do antigo chefe de Estado Robert Mugabe, que governou o país durante 37 anos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)