A União Ciclista Internacional (UCI) garantiu esta terça-feira que não detetou qualquer fraude tecnológica no decorrer da Volta à França em bicicleta, ganha pelo galês Geraint Thomas (Sky).

Segundo o organismo, foram realizados 2.852 testes, antes, durante e depois de todas as etapas, para detetar alguma forma de fraude, socorrendo-se para isso a rastreio magnético, raio X e imagens térmicas. “Testámos entre cinco e dez bicicletas em cada etapa, incluindo a do vencedor e a do camisola amarela”, explicou a UCI em comunicado.

David Lappartient, presidente da UCI, disse que todas estas iniciativas visam demonstrar ao público e agentes ligados ao ciclismo que a modalidade é “credível”. “Continuamos a trabalhar neste sentido, para nos assegurarmos de que a reputação positiva do ciclismo está garantida”, justificou.