Matemática

Medalha Fields. “Nobel da Matemática” atribuído a antigo refugiado curdo

Caucher Birkar era estudante em Teerão quando viajou até ao Reino Unido e pediu asilo político. Com uma estabelecida carreira na área geometria, recebeu hoje o mais importante prémio de Matemática.

A Medalha Fields, o "Nobel da Matemática", é atribuída de quatro em quatro anos

Caucher Birkar chegou ao Reino Unido com o estatuto de refugiado e hoje é um dos mais respeitados matemáticos das ilhas britânicas. Professor e investigador na Universidade de Cambridge, Birkar, de 40 anos, é um dos galardoados com a Medalha Fields, o prémio mais importante na área da Matemática que é atribuído de quatro em quatro anos. Além de Birkar, especialista em geometria aritmética, receberam também a Medalha Fields Alessio Figalli, Akshay Venkatesh e Peter Scholze, este último um dos mais novos a receber o chamado “Nobel da Matemática”. Os vencedores foram anunciados durante o Congresso Internacional de Matemáticos, que este ano se realizou no Rio de Janeiro.

O professor da Universidade de Cambridge nasceu em Marivan, uma cidade curda que foi particularmente afetada pelo conflito entre o Irão e o Iraque, na década de 1980. “Quando estava na escola, a situação era caótica. Havia a guerra entre o Irão e o Iraque e a situação económica era muito má. Os meus pais são agricultores, por isso passei muito tempo no campo”, disse Caucher Birkar, citado pelo The Guardian. O Irão dos anos 80 não era, por isso, “o lugar ideal para um miúdo se interessar por uma coisa como a Matemática”. Contudo, foi por isso que Birkar se interessou e o irmão introduziu-o a teorias matemáticas mais avançadas. À revista Quanta, o iraniano afirmou que, quando era adolescente, tinha fotografias dos vencedores da Medalha Fields nas paredes do quarto. “Olhava para eles e pensava: ‘Será que vou conhecer alguma destas pessoas?’. Naquele tempo, no Irão, nem sequer sabia que ia conseguir viajar para o ocidente.”

Ivan Fesenko, professor na Universidade de Nottingham, foi um dos orientadores da tese de doutoramento do antigo refugiado curdo. Ao jornal The Guardian, contou que, quando Caucher Birkar chegou ao Reino Unido, em 2000, falava muito mal inglês. “O Ministério do Interior mandou-o viver em Nottingham enquanto estavam o processar o pedido de asilo. [Caucher Birkar] veio ter comigo porque estava interessado em investigar as minhas áreas de interesse”, lembrou Fesenko. Birkar tem trabalhado na área nas equações polinomiais.

De acordo com o professor da Universidade de Nottingham, o talento do iraniano ficou claro quando ele começou a trabalhar na tese de doutoramento: “Pensei que lhe devia dar algum problema para resolver. Se ele o resolvesse, então seria a sua tese de doutoramento. Geralmente, um doutoramento dura três ou quatro anos”. Caucher Birkar resolveu o problema em apenas três meses. “Ele é muito, muito inteligente. Quando falamos com ele, percebemos que ele consegue adivinhar os nossos pensamos muito tempo antes. Mas nunca usa isso para sua vantagem. É muito, muito respeitador e ajuda as outras pessoas a evoluirem”, disse ainda Fesenko ao The Guardian.

Além de Caucher Birkar, o “Nobel da Matemática” foi atribuído este ano a Alessio Figali, um italiano que se tem dedicado às equações diferenciais parciais (utilizadas para procurar as rotas mais eficientes para o transporte de um objeto entre dois locais diferentes), a Akshay Venkatesh, um australiano especialista em teoria dos números que trabalha nos Estados Unidos da América, e a Peter Scholze, professor de Matemática na Universidade de Boston. Scholze, de 30 anos, é um dos mais novos a receber a Medalha Fields. Scholze tem trabalhado com geometria aritmética e já foi considerado o matemático mais talentoso da sua geração nessa área.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
caderno de apontamentos

Uma aula fora da sala /premium

Maria João Passos
903

O “fracasso” na Matemática não depende exclusivamente das características da disciplina. É urgente renovar profundamente a escola, para que esta se torne um espaço motivante e agradável de trabalho.

Educação

O objeto da Física é o universo

Filipe Moura
133

Toda a argumentação que o autor apresenta em relação à Matemática pode ser desenvolvida em relação à Física, que historicamente é a única ciência natural que contribuiu para o progresso da Matemática.

passeio aleatório

Curvas maravilhosas /premium

Nuno Crato

Ao contrário da presunção de alguma antiquada intelectualidade, os cientistas-autores portugueses dão lições de humildade e de capacidade de comunicação. E entre eles destaca-se Jorge Buescu. 

passeio aleatório

Duas surpresas do PISA /premium

Nuno Crato
184

Schmidt mostrou-nos números, dados e resultados e as suas conclusões são simplesmente o contrário do que tem frequentemente surgido em debates que não são baseados em factos, mas apenas em ideologia. 

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)