Rádio Observador

Decoração

A história da portuguesa e do inglês que decoram casas por toda a parte

243

Um inglês, James Barker, e uma portuguesa, Joana Pereira, fundaram a James Barker em 2013. Queriam editar livros para crianças, tornaram-se numa marca de produtos de decoração e utilitários.

Autor
  • André Almeida Santos

James Barker não denuncia a costela portuguesa que está por detrás da loja online James Barker, da responsabilidade do ilustrador inglês com o mesmo nome, que cria produtos únicos para os mais diversos propósitos, desde artigos de papelaria, de decoração, quadros ou acessórios como sacolas ou capas de telemóveis. Mas antes de James Barker marca existiu Chá Com Letras, um projecto fundado pelo ilustrador e pela portuguesa Joana Pereira, natural do Fundão, que vive em Inglaterra há quinze anos, ou seja, desde 2003 quando se mudou para Norwich para ir estudar Design Gráfico.

Barker é natural de Norwich e foi na universidade – estudou Ilustração — que conheceu Joana, quando começaram a trabalhar em conjunto em alguns projectos. Joana confessa que parte da química de trabalho nasceu precisamente aí “porque percebemos que tínhamos uma boa química e que compreendíamos a intenção um do outro quando estávamos a trabalhar nestes projetos. Termos diferentes áreas de interesse e isso ajudou a criar uma simbiose.”

Joana mudou-se para Londres em 2009 para continuar o estudos, James fez o mesmo no ano seguinte. A partir daí começaram uma relação de trabalho mais séria que começou a dar frutos uns anos depois. James gosta de contar histórias e tem um talento natural para ilustrá-las. Após ter terminado os estudos foi fácil assumir ambas as virtudes e levá-las para um caminho mais sério. Começaram a trabalhar em livros para crianças, James tratou da histórias e das ilustrações, Joana do design.

O primeiro projeto a que se dedicaram enquanto Chá Com Letras foi um livro para crianças, “The Grey Go-Away Bird”, em 2013. Queriam ser uma editora de livros para crianças e arrancaram em força, com o livro presente em algumas das melhores lojas londrinas. No ano seguinte concorreram a um prémio na Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha. James foi um dos finalistas e viu o seu trabalho exibido na Feira. Isso deu-lhes confiança para continuarem com o seu projecto.

Ainda em 2014 lançam uma loja na Etsy e recebem propostas para aplicarem as suas ilustrações em produtos. A Ohh Deer foi a primeira a chegar-se à frente e no Natal de 2015 dão um grande salto: são convidados para exporem os seus produtos numa loja pop-up na British Library. “Foi de loucos”, diz Joana.

Nessa altura fazíamos todos os produtos em casa, as almofadas, os lenços, os abajures… e de repente fazem-nos uma encomenda gigante. Passámos o verão todo desse ano a trabalhar nos produtos para conseguirmos entregar a encomenda. Mas foi fantástico, porque como tínhamos uma colecção completa, isso deu-nos mais destaque e muita imprensa. A maior parte dos outros participantes só tinham um objecto para venda, nós tínhamos vários. A partir daí começámos a ser convidados para uma série de eventos.”

Joana manteve o seu trabalho como freelancer. Com o tempo começou a afastar-se da parte criativa porque “alguém tinha de tratar do marketing e da parte burocrática do negócio. Quando eu chegava a casa do trabalho, não tinha cabeça para ser criativa, mas conseguia tratar deste lado. E entusiasmava-me aprender a fazer esse trabalho, porque nenhum de nós tinha formação nessa área. E gosto de como tudo aconteceu de uma forma muito orgânica. Nós não tínhamos um plano de negócio, só sabíamos o que queríamos fazer. E tudo foi acontecendo conforme as nossas necessidades e as do negócio, muito organicamente”.

Actualmente a maior parte dos produtos são feitos no Reino Unido. Joana confessa que essa é uma das partes mais difíceis do negócio: “Por mais criatividade que tenhas, é muito difícil em tornares isso numa realidade. Queres criar um produto e satisfazer a procura. Não interessa se fazes um trabalho fantástico se não consegues entregar o teu produto. Grande parte dos nossos produtos são feitos no Reino Unido, tirando algumas excepções: as sacolas vêm da Índia, via comércio justo, mas são impressas no Reino Unido; as nossas bases de copos são feitas na Suécia porque eles fazem melhor do que ninguém; e os pins são feitos na China, porque a empresa inglesa com quem trabalhamos faz os pins lá. Tentamos sempre trabalhar com pessoas como nós, mas por vezes temos de dar o braço a torcer.

Em 2017 perderam o vínculo português no nome, a empresa de Joana e James deixou de ser Chá Com Letras para assumir o nome do ilustrador: James Barker. Têm uma base de clientes muito fiel e o negócio tem crescido como desejado: “não temos uma grande base de clientes regulares, mas os que temos são muito bons. E é fantástico ver crianças a brincar com os nossos produtos”.

Os produtos que James cria expressam de imediato esse lado infantil. Os seus desenhos com animais (vão de insectos a dinossauros), plantas ou figuras históricas têm um traço e uma cor que encaixa imediatamente no olho infantil, mas que são suficientemente sóbrios para entrarem no dia-a-dia de um adulto, seja na decoração da casa ou na utilidade do dia-a-dia, como as lindíssimas, espaçosas, práticas e duradouras sacolas ou as resistentes capas de telemóvel. Sempre com um toque que chama a atenção.

Os preços são acessíveis e a qualidade justifica. Os artigos podem ser comprados online ou, se está de visita ao Reino Unido, passe pela British Library, Museum Of London, Natural History Museum, Tate Modern ou Selfridges e confira com os próprios olhos. Não vai ao Reino Unido? Não há problema, a arte de James Barker já anda um pouco por todo o mundo, de Nova Iorque ao Japão.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)