“Em defesa da transparência e da equidade desportiva no futebol”, o Benfica pretende ver respondidas seis questões e deixa ainda um desafio à Federação Portuguesa de Futebol, à Liga e ao Tribunal Arbitral do Desporto: divulguem, nas suas páginas, o percurso profissional dos seus dirigentes e dos seus quadros, bem como a preferência clubística, “caso exista”.

O apelo foi lançado pelo vice-presidente do Benfica, Varandas Fernandes, numa conferência de imprensa que iniciava “uma nova fase de contactos entre o clube e a comunicação social” e onde o responsável da Luz abordou a preparação para o início da época desportiva, bem como “questões de maior relevância na defesa do futebol português”.

Contratos de reforços do Benfica revelados em blogue. Clube já reagiu

Naquilo que considerou ser “uma medida preventiva”, Varandas Fernandes foi o porta-voz do apelo encarnado aos mais altos responsáveis pelo futebol nacional. “Nos últimos anos, decerto como manobra de diversão para disfarçar erros e fraquezas próprias, foram alguns tecendo o mito de que o Benfica dominaria as principais estruturas do futebol português. Pois bem: convidamos a Liga Portugal, a Federação Portuguesa de Futebol e respetivos órgãos, incluindo os da justiça desportiva, e também o Tribunal Arbitral do Desporto, a publicar nas suas páginas todo o percurso profissional dos seus dirigentes e dos seus quadros”, apelou o vice-presidente do Benfica, continuando: “Identificando claramente os clubes onde já trabalharam e exerceram funções. E assumindo cada um a sua preferência clubística, caso exista. Transparência total, para escrutínio total”.

“Não é por serem órgãos que superintendem o futebol nacional que estarão acima de qualquer suspeita, bem pelo contrário. Devem ser os primeiros a dar o exemplo”, explicou Varanda Fernandes, já depois de reforçar a aposta feita na formação encarnada na constituição do plantel principal de futebol.

Árbitro que vai apitar FC Porto ameaçado de morte pelos Super Dragões

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mas o Benfica tem ainda seis questões que quer ver respondidas pela FPF e pela Liga Portugal, antes do início do campeonato, a 10 de Agosto:

“1. Qual o ponto de situação das investigações à invasão ao centro de treinos dos árbitros na Maia?”;

“2. Qual o ponto de situação sobre as queixas apresentadas por vários árbitros em relação às ameaças que sofreram e que também visaram as suas famílias e os seus bens?”;

“3. Qual a explicação da Liga Portugal para que na época 2017/18 não se tenham cumprido os regulamentos na realização da segunda parte do jogo Estoril-FC Porto? [retomado 37 dias depois]”;

“4. Como se explica que o relatório de perícia feito pela FPF, sobre a recente divulgação pública de contratos de jogadores do Benfica, tenha sido publicado num blogue?”;

“5. Reconhecendo e assumindo a Liga Portugal e a Federação Portuguesa de Futebol a existência de fragilidades e falta de segurança no sistema de troca de correspondência sobre contratos que circulam entre os seus serviços (…) porque será que só há fugas para a praça pública de contratos do Benfica, e sempre em blogues reconhecidamente associados a outro clube?”

“6. Como se justificam o silêncio e a total inação da Liga Portugal e da FPF diante do crime de acesso indevido e divulgação de correspondência privada por parte de um clube em relação a outro?”

Benfica revela que já apresentou 12 queixas-crime

“É mais do que tempo de clarificar posições face a comportamentos que criaram um ambiente de enorme pressão sobre as equipas de arbitragem”, concluiu Varandas Fernandes.