A propaganda violenta do Estado Islâmico está de volta, com o grupo terrorista a voltar a mostrar vídeos de reféns. Desta vez foram, as imagens mostram um jornalistas japonês e um cidadão italiano, em gravações diferentes mas em cenários idênticos: de joelhos, vestindo fatos cor de laranja e com dois homens aramados em cada um dos lados.

O jornalista diz que é sul-coreano e que se chama Omar, embora fale japonês. Além disso, um alto funcionário do governo nipónico identificou-o como sendo Jumpei Yasuda, um jornalista que foi raptado em 2015. “O meu nome é Omar. Sou sul-coreano. Hoje é dia 25 de julho de 2018. Estou numa situação terrível. Por favor, ajudem-me imediatamente”. De acordo com os meios de comunicação social japoneses, o homem está nas mãos da Frente al-Nusra.

O cidadão italiano chama-se Alessandro Sandrini, tem 32 anos e foi raptado em 2016, na fronteira turco-síria. Estas imagens fazem recordar os vídeos divulgados há poucos anos pelo grupo terrorista, onde ficaram conhecidos os casos da decapitação do repórter norte-ameicano James Foley, em agosto 2014, e o assassinato do piloto jordano Moaz al Kasasbeh, queimado vivo em fevereiro de 2015.