Rádio Observador

Leis

Anafre congratula-se com promulgação da lei das finanças locais e descentralização

A Anafre congratulou-se com a promulgação da Lei das Finanças Locais e a transferência de competências para as autarquias, sublinhando que irá acompanhar o processo.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Associação Nacional de Freguesias (Anafre) congratulou-se esta sexta-feira com a promulgação da Lei das Finanças Locais e a transferência de competências para as autarquias, sublinhando que irá acompanhar o processo para garantir que este seja “justo e claro”.

Em declarações à Lusa, o presidente da Anafre, Pedro Cegonho, congratulou-se pelo final do processo, que “decorreu durante mais de dois anos”, sublinhado que o organismo “irá acompanhar a concretização da repartição de recursos em cada município”, estando ao lado das freguesias “a ajudar no sentido de que a repartição seja justa e que corresponda àquilo que são as responsabilidades que as freguesias assumam com as novas competências”.

“Foram dois anos intensos de trabalho, de diálogo e propostas e contrapropostas. Congratulamo-nos por ver vertida em lei esta intenção expressa de querer seguir um caminho de descentralização de competência, quer nos municípios, quer nas freguesias”, explicou Pedro Cegonho.

De acordo com o também presidente da Junta de Freguesia de Campo de Ourique (Lisboa), as novas competências próprias das freguesias “partem da experiência de antigas delegações e antigos acordos de execução”, tendo a nova lei quadro uma “norma travão”.

“O que venha a ser repartido como recurso para as novas competências entre os municípios e as freguesias terá sempre como baliza mínima o que foi negociado anteriormente como acordo de execução ou como delegação de competências na mesma matéria”, explicou.

Segundo o autarca socialista, “há já muito trabalho feito”, “muita quantificação já feita” com base em acordos de execução e contratos de delegação de competências e será a partir daqui que “será estimado o custo das novas competências, depois adequá-las à realidade de cada município e freguesia e promover a transferência efetiva”. Pedro Cegonho deu como exemplo aquilo que já aconteceu em 2013 e que terminou em março de 2014 em Lisboa, com a lei de descentralização paras as 24 freguesias da capital.

“A Anafre vai estar a acompanhar todo o processo, que se pretende justo, claro e que corresponde aos legítimos interesses das populações salvaguardando os princípios da equidade e universalidade”, sublinhou. O Presidente da República promulgou na quinta-feira a Lei das Finanças Locais e a transferência de competências para as autarquias, alertando para um possível “alijar das responsabilidades do Estado” e avisando que não garante a aprovação dos diplomas complementares.

De acordo com o site da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa promulgou as alterações à Lei das Finanças Locais e a Lei-quadro da transferência de competências para as autarquias locais e para as entidades intermunicipais, aprovadas na Assembleia da República a 18 de julho, deixando, no entanto, alguns “reparos” numa nota anexa relativa a estes dois diplomas.

Marcelo Rebelo de Sousa afirma que é “inequivocamente positivo” dar passos no sentido da descentralização, bem como o facto de os diplomas terem sido aprovados no parlamento por quase dois terços dos deputados, “o que parece traduzir um entendimento muito amplo de regime”.

O chefe de Estado reconhece que o aprofundamento da descentralização administrativa “é bem-vindo”, mas “uma coisa é a sua afirmação, como princípio, outra é garantir que aproxima, de facto, o poder político das populações” ou que “serve os objetivos constitucionais da justiça, da segurança e do bem-estar económico, social e cultural generalizados, e, portanto, reforça a desejada coesão territorial”.

O parlamento aprovou a 18 de julho as alterações à Lei das Finanças Locais, que aumentam a participação das autarquias nas receitas públicas e preveem os recursos financeiros para que possam exercer mais competências. No mesmo dia, foi também aprovada a lei-quadro da descentralização de competências do Estado central para as autarquias locais e entidades intermunicipais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)