Rádio Observador

Organização Mundial de Saúde

OMS confirma erradicação do sarampo e controlo da rubéola em Timor-Leste

Timor-Leste foi um dos dois países do sudeste asiático a eliminar a existência de casos de sarampo no seu território, sendo o outro a Coreia do Norte, de acordo com a Organização Mundial da Saúde.

SALVATORE DI NOLFI/EPA

A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou esta sexta-feira, em comunicado, que Timor-Leste erradicou oficialmente o sarampo no país e tem a rubéola e o síndroma de rubéola congénita controlados, cumprindo as metas previstas em 2014.

Timor-Leste foi um dos dois países do sudeste asiático a eliminar a existência de casos de sarampo no seu território, sendo o outro a Coreia do Norte, e um dos seis da mesma região que tem agora controlo sobre os casos de rubéola.

O cumprimento destes objetivos demonstra a determinação e o compromisso dos países na região pela saúde das mulheres e crianças e para uma cobertura de saúde universal”, disse Poonam Khetrapal Singh, diretora regional da OMS no Sudeste Asiático.

Timor-Leste e Coreia do Norte juntam-se assim ao Butão e Maldivas, que no ano passado, tinham sido os primeiros países na região a eliminar o sarampo. Quanto ao controlo da rubéola e do síndroma de rubéola congénita, Bangladesh, Butão, Maldivas, Nepal, Sri Lanka e Timor-Leste são os países do sudeste asiático que já alcançaram este objetivo.

O anúncio foi feito após o encontro da Comissão de Verificação Regional, uma equipa de especialistas independentes, que se reuniu em Nova Deli entre os dias 31 de julho e 2 de agosto. De acordo com o comunicado, a Comissão verificou que a República Popular da Coreia e Timor-Leste interromperam a transmissão de sarampo por mais de três anos.

Em 2014, a OMS do Sudeste Asiático anunciou a eliminação de sarampo e o controlo da rubéola e do síndroma de rubéola congénita como um dos principais objetivos, e desde então, todos os onze países da região tomaram medidas nesse sentido.

Segundo o comunicado, entre as medidas consta o reforço da vacinação contra o sarampo e a rubéola, o aumento da vigilância, a construção de redes de laboratórios e alavancar o alcance e o apoio das redes já existentes, como o programa de erradicação da pólio.

A Comissão também reconheceu o “progresso tremendo” feito pelos países da região nos últimos quatro anos. Khetrapal Singh acrescentou que os profissionais na região estão mais bem preparados e que as infraestruturas estão mais fiáveis.

Estamos a caminhar para um futuro mais brilhante e saudável para todos – um futuro livre de doenças combatíveis por vacinas, mortes desnecessárias e o sofrimento consequente”, acrescentou a responsável.

“O sarampo move-se depressa, e nós precisamos de nos mexer ainda mais rápido para proteger as nossas crianças das suas consequências severas”, concluiu. Cerca de 400 milhões de crianças na região serão vacinadas no biénio 2018-19. As conclusões apresentadas no comunicado são baseadas numa “análise profunda dos dados e relatórios fornecidos pelos comités de verificação nacional”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)