Rádio Observador

Rolls-Royce

Os Rolls-Royce da rainha estão à venda. Quer um?

A Bonhams vai leiloar uma colecção de Rolls-Royce, exemplares únicos, produzidos para a família real britânica. São verdadeiros bocados de história que permitem a qualquer um viajar como a realeza.

Autor
  • Observador

Heritage Fleet é a designação da frota de veículos que a britânica Rolls-Royce produziu, propositadamente, para a família real inglesa. São oito veículos com história, fabricados para respeitar as exigências pessoais de reis, rainhas e príncipes, o que faz de cada um deles um exemplar único, argumento fundamental para atrair a atenção – e a carteira – de coleccionadores desta classe de objectos.

Um dos Rolls-Royce da colecção, mais antigo e provavelmente mais valioso – com a leiloeira Bonhams a antecipar licitações próximas aos 2,2 milhões de euros, é um elegante Phantom IV de 1950, na versão State Landaulette, finalizado sob medida pelo carroçador Hooper & Co. É uma unidade muito conhecida, uma vez que esteve ao serviço da realeza britânica durante cerca de quatro décadas, tendo sido utilizado como viatura oficial em muitas viagens, dentro e fora de Inglaterra. Fabricado para celebrar o Jubileu de Ouro da Rolls, marca que foi originalmente criada em 1904, este modelo é idêntico ao que foi utilizado há dois meses por Meghan Markle, a duquesa de Sussex, no seu trajecto a caminho do Castelo de Windsor, onde casou com o príncipe Harry.

Outra das peças que vai atrair mais atenções, e para a qual a Bonhams avança com um valor de licitação próximo dos 1,7 milhões de euros, é o Rolls-Royce Phantom V, na versão High Roof State Limousine de 1960, que durante anos transportou em visitas de Estado a rainha Isabel II e o seu marido, Filipe da Grécia e Dinamarca, também conhecido como duque de Edimburgo. Este modelo pode ainda ser visto junto ao iate real Britannia, atracado no porto de Edimburgo, viatura em que foi igualmente conduzida Catherine Middleton, rumo ao seu casamento com o príncipe William.

Para os fãs de Diana, a falecida princesa de Gales, este leilão vai ter igualmente muito significado, uma vez que um dos veículos disponíveis para ser licitado é o Rolls-Royce Centenary Silver Spur Saloon, de 1985. Muito utilizado por Diana, esta unidade tem ainda a particularidade de ser o 100.000º Rolls a ser produzido, para o qual está a ser antecipado um valor de 170 mil euros.

Sob o martelo vai estar igualmente um Corniche Convertible de 2002, o último Rolls fabricado na linha de produção de Crewe e que tem ainda a particularidade de estar como novo, tendo apenas percorrido 229 milhas, cerca de 384 km, ao serviço da família real. Ainda em melhor estado deve estar o Silver Seraph Park Ward, na versão de chassi longo, finalizado pelo carroçador Park Ward e cujo conta-quilómetros marca apenas 85 milhas, cerca de 136 km. E se o chassi longo não o satisfazer, pode sempre optar por um modelo similar, mas com a distância entre eixos normal, que percorreu sensivelmente a mesma distância.

No grupo de oito Rolls-Royce a leilão, que é esperado ter lugar a 8 de Setembro, é ainda possível encontrar o Corniche Convertible IV de 1995, preparado pela Park Ward e o Phantom VI Limousine de 1979.

Curiosamente, todos estes Rolls-Royce estão a ser leiloados pela… Bentley. Tudo porque a Rolls, que comprou a Bentley em 1931, viria depois a sucumbir financeiramente em 1971, quando foi salva pelo Estado. Os ingleses venderam ambas à Vickers, nove anos depois, para a Volkswagen as adquirir em 1998. A marca germânica manteria apenas a Bentley e tudo o que era Rolls-Royce até 2003. E daí que estes modelos, cedidos pela Rolls à família real, sejam na realidade propriedade da Bentley.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)