Rádio Observador

Desporto

Károly Takács. A história do atirador que foi bicampeão olímpico depois de perder o braço

Faz este sábado 70 anos que Károly Takács conquistou a medalha de ouro em tiro nos Jogos Olímpicos de Londres. Dez anos antes, tinha perdido o braço com que atirava numa operação militar.

Károly Takács a atirar com o braço esquerdo, depois de ter perdido o direito num exercício militar

Getty Images

Autor
  • Mariana Béu

Se lhe dissermos que a personagem central da história que se segue é um húngaro que conquistou a medalha de ouro em tiro nos Jogos Olímpicos, provavelmente não vai achar nada de especial. Afinal, não é feito único: já houve sete na história do país nesta modalidade — 17, se englobarmos também as distinções de prata e de bronze. Se acrescentarmos que este atleta foi campeão olímpico duas vezes seguidas — a primeira com 38 anos e a seguinte com 42 — tornando-se o primeiro na história a conseguir fazê-lo em tiro rápido de 25 metros, o caso ganha mais interesse. Mas se lhe dissermos ainda que tudo isto foi conquistado depois de esse mesmo atleta ter perdido o braço com que atirava, então aí a conversa já muda de tom.

Károly Takács, assim se chama o protagonista desta história. Nasceu em Budapeste, a 21 de janeiro de 1910, e tudo quanto se sabe sobre os seus primeiros anos de vida é que se alistou no exército húngaro ainda jovem e que chegou a sargento. Sabe-se também que desde cedo se destacou como atirador, mas que não era particularmente respeitado entre os seus pares: conta-se até que, depois de ganhar o título militar, o general encarregue de lhe entregar o prémio se recusou a apertar-lhe a mão. Tudo porque Károly não pertencia às altas patentes do exército.

Mas aos olhos do país não era bem assim. Em 1938, depois de ganhar o campeonato mundial em tiro com pistola rápida, Károly tornou-se a principal esperança húngara para os Jogos Olímpicos que aconteceriam em Tóquio, dois anos depois. Aconteceriam, mas não aconteceram. É que entretanto rebentou a Segunda Guerra Mundial e os Jogos — tal como os seguintes, em 1944 — foram cancelados.

O dia que parecia ter deitado tudo a perder

Mas houve um dia que mudou a vida de Károly Takács — e quase lhe matou os sonhos. Em maio de 1938, numa ação militar que parecia corriqueira, uma granada defeituosa rebentou-lhe na mão direita e fê-la desaparecer. O mundo de Károly acabava de desabar. Não podia ser de outra forma. O atleta mergulhou na depressão e, durante um mês, viveu de rosto fechado num quarto de hospital, pensando que todos os seus objetivos — e o seu dom — tinham desaparecido juntamente com o braço com que atirava.

Mas tudo mudou num dia — um dia talvez tão decisivo quanto aquele que o vitimou. À saída do hospital, esperava-o o treinador Laszlo Torok. Que lhe disse algo que, até então, parecia quase anedótico a Károly Takács. “Podes aprender a atirar com a mão esquerda…”. A resposta saiu pronta. “Sou destro, não conseguiria”. O técnico não desistiu. “Mas já não tens a mão direita. Essa é a realidade. Prepara-te para o campeonato nacional”. Naquele momento, o atleta deve ter pensado que o treinador tinha sido tomado por um estado de loucura súbito. “Impossível! Falta menos de um ano”.

Mas a ideia ficou lá. Foi germinando na cabeça de Károly e acabou mesmo por tomar forma. Durante aquele ano que lhe restava, treinou quase sem parar. Todas as noites, antes de dormir, olhava para o espelho e ensaiava a posição de atirar, para o corpo ganhar a memória do movimento. E em 1939, lá estava ele, para discutir o campeonato nacional. Ao chegar ao local da prova, foi felicitado pelos companheiros — que pensavam que Károly ali estava apenas para os apoiar. “Vim para competir convosco!”, ripostou.

E não é que, não só competiu como ainda venceu a competição? O desafio de atirar com a mão esquerda estava superado. Agora havia que criar novas metas. O técnico Laszlo Torok lançou-lhe novo repto: “Vais lutar pelo título olímpico”.

Ãnnnn?” — terá pensado o atleta. Mas, dez anos e uma Guerra Mundial depois, no verão de 1948, lá estava o atleta em Londres, com 38 anos, para discutir o título nos Jogos Olímpicos de Londres — os primeiros no pós-Guerra. Tal como tinha acontecido no campeonato nacional de 1939, os companheiros de profissão duvidaram. “O que fazes aqui?”, perguntou-lhe Carlos Valente — o argentino que, um ano antes, se tinha sagrado campeão e recordista mundial em pistola rápida de 25 metros, com 570 pontos. Seria membro da equipa técnica? Seria júri? Károly desfez-lhe as dúvidas. “Vim aqui para aprender”.

O dia em que Károly Takács fez o que ainda não tinha sido feito

E era chegado o dia 4 de agosto — há precisamente 70 anos. Era o dia da prova. Ainda haveria um azar (outro) a ensombrar o percurso do húngaro: ao pegar na arma, para a última série, ela disparou involuntariamente — fazendo lembrar o acidente que tinha acontecido dez anos antes. Os argentinos, apoiantes de Carlos Valente, ainda fizeram queixa à organização, para que aquele tiro inadvertido contasse. Nada feito. Os juízes deram razão a Takács, que ainda acertou no círculo número 10, o de maior pontuação, nos últimos cinco disparos. Fez 580 pontos — mais dez do que o rival argentino –, a apenas 20 do máximo que podia ter obtido. Sagrou-se campeão olímpico e recordista mundial. No final, Carlos Valente reconheceu a superioridade do adversário. “Capitão, aprendeu o suficiente”, disse-lhe no pódio.

A história poderia ter acabado aqui — e já seria digna de ser lembrada várias gerações depois. Mas ainda havia mais um capítulo, a ser escrito passados quatro anos. Jogos Olímpicos de 1952, em Helsínquia. Károly Takács, já com 42 anos, voltava a competir. E voltava a ganhar — tornando-se no primeiro atleta a ser bicampeão olímpico na disciplina de pistola rápida. Deixou para trás o compatriota Szilard Kun, com menos um ponto. Valente, que terminou em quarto, voltou a deixar-lhe uma mensagem no final. “Capitão, aprendeu muito. É tempo de se retirar e ensinar-me a mim”.

A história não haveria de o permitir — o argentino morreria novo, aos 38 anos, num acidente de avião. Mas o ensinamento maior de Károly Takács ficaria na história que escreveu. Um dia, quando questionado sobre a descrença dos rivais, respondeu: “Não os culpo. Eles pensavam que eu tinha apenas dois braços. Mas tinha mais um, na cabeça”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)