No final da partida que ditou a conquista da 21.ª Supertaça ao FC Porto (3-1), o técnico derrotado, José Mota, revelava orgulho na sua equipa, destacando que o Desp. Aves honrou o símbolo que trouxe ao peito.

“Fiquei orgulhoso da minha equipa. Tudo o que referimos durante a semana, a que nos propusemos, foi demonstrar as nossas qualidades, honrar o Aves. Tentámos fazer um jogo positivo, sabíamos de antemão que íamos ter muitas dificuldades, mas penso que o povo viu uma equipa com qualidade, rigor, atitude competitiva muito forte. É isto que pretendo, o que prometemos cumprimos. Disputámos uma final com muita dignidade, em vários momentos conseguimos estar por cima do FC Porto. Muito orgulhoso dos meus jogadores e do povo da Vila das Aves”, afirmou o treinador português na flash interview após a partida.

Também Derley, avançado brasileiro do Desp. Aves que já conquistou a Supertaça em 2014, ao serviço do Benfica, reforçou que tudo foi feito para que a vitória fosse alcançada, e que ficaram com boas indicações para o início do Campeonato. “Fizemos de tudo para conseguir mais um título, seria o meu segundo. Demos o nosso máximo, fomos uma grande equipa, lutámos do princípio ao fim. Mas mérito para o FC Porto que conseguiu concluir as oportunidades que criou. Saímos com coisas boas para sábado começarmos o nosso Campeonato“, afirmou.

Herrera sangra, Sérgio Conceição explode, Brahimi acalma. A expulsão do técnico portista em três atos

Sérgio Conceição, expulso com uma hora de jogo na sequência de um lance em que Herrera saiu a sangrar, ficou com essa saída impedido de falar pelos regulamentos da Federação Portuguesa de Futebol. No entanto, segundo o mesmo regulamento, o treinador adjunto do FC Porto, Vítor Bruno, deveria marcar presença na conferência de imprensa no final da partida, mas tal não aconteceu, com nenhum responsável da equipa técnica dos dragões a proferir declarações.

À flash interview foi Corona, o mexicano que apontou o terceiro golo do FC Porto na partida. O mexicano abordou o discurso de Sérgio Conceição ao intervalo e o que pensou antes de rematar para o fundo das redes. “As duas equipas queriam a taça, íamos jogar até à morte. Ao intervalo o técnico disse-nos que faltavam 45 minutos para alcançar a glória”, explicou, continuando: “Pensei na minha família que diz sempre ‘tens de chutar, chuta, chuta’. Então recebi e atirei. Foi um golo importante para começar a época com o pé direito, estou mais do que contente”.

Em relação ao Campeonato, Corona tem a fórmula para repetir a conquista do ano passado. “Vão querer vencer-nos em todos os jogos, temos de estar concentrados. Queremos ser mais fortes do que fomos”, concluiu.