Base das Lajes

Atividade militar nas Lajes não é afetada pela certificação para uso civil

A atividade militar na base das Lajes não deverá sofrer alterações na sequência da certificação da infraestrutura para a utilização permanente pela aviação civil, diz a Força Aérea Portuguesa.

MARIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A atividade militar na base das Lajes não deverá sofrer alterações na sequência da certificação da infraestrutura para a utilização permanente pela aviação civil, diz a Força Aérea Portuguesa (FAP). “A certificação veio simplificar procedimentos legais, harmonizar e publicitar procedimentos já existentes, bem como regular a articulação dos serviços da Base Aérea nº 4 (BA4) com as entidades civis. Assim, não se antecipa que a atividade operacional da Força Aérea seja afetada”, disse à Lusa fonte oficial da entidade, numa resposta por escrito.

A certificação da base das Lajes, na ilha Terceira, nos Açores, para a utilização permanente pela aviação civil foi atribuída no dia 23 de julho, dois anos depois de os governos regional e nacional terem assinado um protocolo nesse sentido. Na altura, a 27 de julho de 2016, já operavam na ilha Terceira as companhias aéreas SATA e TAP, tendo a Ryanair iniciado também ligações à ilha em dezembro desse ano.

Segundo a Força Aérea, a “operação civil na Base Aérea Nº4 acontece já há dezenas de anos num registo de estreita colaboração”. A FAP assegura, em colaboração com o destacamento norte-americano, “a existência da infraestrutura do aeródromo bem como a prestação dos serviços aeronáuticos”. De acordo com a Força Aérea não se perspetivam com a certificação alterações na atividade militar, nem um aumento de operações de aviação civil.

“A capacidade de parqueamento de aeronaves de grande envergadura como os A310, A330 e A340 está próxima do limite. Não se perspetiva que, no futuro próximo, a procura da BA4 pela aviação civil tenha um aumento significativo”, salientou fonte oficial.

Na prática, o processo de certificação vai traduzir-se num melhor aproveitamento da infraestrutura, mas sem afetar os serviços já prestados, adiantou a Força Aérea: “Passará a haver a cedência formal de uma placa de estacionamento de aeronaves, à semelhança do que, na prática, já acontecia. Não irá existir partilha da capacidade, mas sim a continuação da maximização da gestão pela BA4 da capacidade aeroportuária instalada em benefício da aviação civil”.

O ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, salientou, à margem da cerimónia de certificação, que o processo “clarifica de uma vez por todas competências, atribuições, responsabilidades e procedimentos”, reduzindo conflitos entre autoridades civis e militares. Por sua vez, o presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, considerou que a certificação trará uma maior flexibilidade na operação civil e aumentará a atratividade do aeroporto.

Entre as principais mudanças destacadas pelo presidente do executivo açoriano está o facto de as aeronaves civis deixarem de ser obrigadas a pedir autorização para aterrar nas Lajes com 72 horas de antecedência, para efetuarem escalas técnicas, por exemplo.

Por outro lado, as restrições temporárias à aviação civil, devido a atividades ou exercícios militares, passam a ter de ser comunicados com a antecedência mínima de duas semanas. A certificação prevê ainda a possibilidade de utilização das placas de estacionamento militares pela aviação civil, em situações em que a placa utilizada habitualmente tenha capacidade esgotada ou em que estejam em causa aeronaves de maior porte.

A 8 de janeiro de 2015, o secretário da Defesa dos Estados Unidos, Chuck Hagel, anunciou uma redução do efetivo norte-americano na base das Lajes de 650 para 165 militares.

Questionada sobre o número de militares e de meios físicos dos Estados Unidos existentes atualmente nas Lajes, a Força Aérea Portuguesa disse não estar habilitada a responder. Já quanto ao número de militares e meios físicos portugueses, a entidade disse que essa informação era “de caráter reservado”.

Desde o início de 2018, foram realizadas, a partir da Base Aérea nº4, “24 missões de busca e salvamento”, em perto de 100 horas de voo, e 136 evacuações médicas, que contabilizaram mais de 280 horas de voo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos
100

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)