O Governo moçambicano e a Exxon Mobil vão assinar em setembro um contrato para a prospeção e pesquisa de petróleo no âmbito do quinto concurso internacional lançado em 2014, disse esta terça-feira o presidente do Instituto Nacional de Petróleos (INP).

Carlos Zacarias afirmou, em declarações à comunicação social em Maputo, que a Exxon Mobil vai realizar a prospeção e pesquisa de gás no distrito de Angoche, província de Nampula, norte de Moçambique, no quadro do acordo que vai rubricar com o executivo moçambicano.

Além da Exxon Mobil, as autoridades moçambicanas selecionaram consórcios liderados pela italiana Eni e pela sul-africana Sasol, no quinto concurso internacional de prospeção e pesquisa de hidrocarbonetos. O presidente do INP adiantou que 700 milhões de dólares (590 milhões de euros) serão investidos pelas empresas envolvidas no quinto concurso internacional.

Carlos Zacarias assinalou que a demora na assinatura dos contratos de concessão deve-se ao facto de as companhias terem solicitado a alteração dos modelos de contrato para conformá-los com os termos do concurso. As empresas também pediram ao Governo a remoção da obrigatoriedade de inscrição na Bolsa de Valores de Moçambique.

O quinto concurso internacional para a prospeção, pesquisa e exploração petrolífera foi lançado em outubro de 2014 em Londres. As referidas empresas já detém outras concessões de gás natural em Moçambique e a participação no quinto concurso vai marcar o reforço da sua presença no país.