Ensino Superior

Crescimento do emprego jovem pode explicar redução de candidatos ao superior

Segundo dados da Direção-Geral do Ensino Superior, candidataram-se 49.624 alunos ao ensino superior, o que representa uma diminuição de quase três mil pessoas em relação ao ano anterior.

Manuel Moura/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro do ensino superior defendeu esta quarta-feira que a redução de candidatos ao ensino superior “não é uma situação alarmante”, mas apenas reveladora de um novo padrão de estudantes que preferem começar a trabalhar e prosseguir estudos mais tarde.

O número de candidatos ao ensino superior diminuiu 5,6% em relação ao ano passado, sendo menos de 50 mil os estudantes que procuraram uma vaga na primeira fase do concurso nacional que terminou na terça-feira.

Segundo dados da Direção-Geral do Ensino Superior, candidataram-se 49.624 alunos ao ensino superior, o que representa uma diminuição de quase três mil pessoas em relação ao ano anterior, quando foram entregues 52.580 candidaturas.

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior lembra que também houve uma redução de 2.702 alunos que terminaram o secundário e realizaram exames nacionais, menos 3%.

“Não é uma situação alarmante, de forma alguma, até pode ser um bom sinal de dinamismo económico”, disse à Lusa o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, que fala num novo padrão de estudantes do ensino superior, em relação ao qual Portugal “ainda não tem muita experiência”, mas que é comum no país do norte da Europa, e que se traduz num adiar da entrada num curso superior, dando preferência a ganhar experiência profissional antes de o fazer.

Segundo números destacados pelo ministro, entre 2015 e 2017, quando o país começou a dar sinais de retoma económica, com reflexos no mercado de trabalho, o número de jovens com menos de 24 anos que entrava no mercado de trabalho apenas com o ensino secundário concluído cresceu de cerca de 120 mil jovens para mais de 165 mil, o que são, para Manuel Heitor, “números consideráveis”.

Sabe-se que isto está associado à procura de emprego em setores como o turismo e outros que empregam ainda com baixas qualificações. Isto não tem nenhum problema se considerarmos como em muitas outras zonas europeias de grande dinamismo económico que eles voltam a estudar mais tarde”, disse o ministro.

Da nova “relação complexa” entre a redução alunos candidatos ao ensinos superior à saída do secundário e o crescimento do emprego jovem deve resultar um “compromisso coletivo” entre instituições de ensino superior e empregadores que responda a um novo perfil de estudante e que, por um lado, leve as empresas a facilitar o prosseguimento de estudos superiores por jovens já no mercado de trabalho, e por outro lado, leve as instituições de ensino superior a adaptar a sua oferta a este novo tipo de aluno, oferecendo mais cursos pós-laborais, por exemplo.

Não é nenhum drama, exige é uma relação nova entre instituições e empregadores”, defendeu o ministro.

Manuel Heitor referiu ainda em relação ao número de candidatos à 1.ª fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior, divulgado esta quarta-feira, que, sobretudo o ensino politécnico, deve reforçar a aposta na captação de alunos que terminam o ensino secundário por vias profissionalizantes.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)