A pequena localidade do Rasmalho, na Estrada Nacional 124 que liga Portimão a Monchique, é o “início do inferno”, como apelida António da Conceição que, à beira do asfalto, vai vendo os carros dos bombeiros, a alta velocidade, passarem por ele.

A mesma estrada está cortada, interdita a quem não pertença à Proteção Civil. Os condutores são avisados de que têm de inverter a marcha ou seguir para a estrada, à direita, em direção ao Alferce e à Fornalha, pequenas localidades que na noite de domingo, dia 5 de agosto, sofreram com o fogo, que lavra desde sexta, dia 3.

O cenário é desolador. Dantesco. Postes de eletricidade ainda a fumegar, troncos de árvores caídos nas estradas e fumo. Muito fumo. Branco, é certo, sinal que ali já havia passado o fogo, mas muito fumo ainda. É forçoso, a quem por ali passa, conduzir com os quatros piscas e com os médios ligados, mesmo de dia. A visibilidade é reduzida. E, claro, “cuidado, muito cuidado, a responsabilidade é vossa”, dizia todo e qualquer agente da GNR pelo qual se passava. Geralmente sempre nos cruzamentos entre terriolas.

Estrada que liga o Rasmalho até ao Alferce. JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

É nessa estrada, paralela à Ribeira de Odelouca, que encontramos a primeira localidade: Fornalha. Um pequeno aglomerado de casinhas. Casinhas, mesmo. Todas tipicamente algarvias: Porta ao meio e janela tanto do lado direito como do esquerdo. Deserta, só se ouviam vozes ao fundo, ao fundo mesmo. Aí o rasto de destruição por ali deixado pelo fogo na última madrugada coincidia com o silêncio que se ‘ouvia’. Desde terrenos agrícolas, a carros, tratores e animais… Muita coisa ardeu.

A caminho do Alferce outra pequena localidade com pouco mais do que meia dúzia de casas – Portela da Pedra Branca. Uma delas de Diamantino Augusto, um homem de 73 anos, antigo mecânico e amante de automóveis.

Aquela casa viu nascer o pai de Diamantino, viu também nascer o próprio Diamantino e era lá que o seu filho António um dia quereria ir viver. Para se subir para a casa é necessário que seja a pé, as árvores caídas na estrada não deixam passar carros. No meio do monte ali estava. A casa, disfarçada de oficina, cheia de “bugiganga” à volta: carros, peças de carros, máquinas para lavar carros, motores de carros, portas de carros e o seu primeiro carro, um VW Carocha de 1975.

Ardeu tudo. Sobraram as paredes para não fazer esquecer que ali estava a sua vida. “Isto era o meu tesouro, perdi tudo”, conta Diamantino, de camisa aos quadrados enfiada dentro das calças e sandálias.

Exterior da casa de Diamantino, completamente destruída pelas chamas. “Eu nasci aqui, o meu pai nasceu aqui”. O filho António conclui: “E era para aqui que eu queria vir viver daqui a uns anos”. JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Separado da sua mulher, evita falar sobre o assunto, diz só que foi “há mais de 20 anos e foi a melhor coisa que fiz, porra”. Explica que isto não era “só” a sua casa. “Eu nasci aqui, o meu pai nasceu aqui”. O filho António conclui: “E era para aqui que eu queria vir viver daqui a uns anos”. Sofre de diabetes “desde que se lembra de ser homem” antes até de ter passado 20 anos da sua viva em Moçambique, onde aliás conheceu a sua mulher, mãe dos seus dois filhos: António de 40 anos e João de 41.

Mas Diamantino não viu a sua casa ser consumida pelas chamas: Num tom irónico explica: “Por milagre a semana passada adoeci e fui para casa do meu mais novo, vivi em Lisboa”. O filho, António, continua: “Vivo com a minha mulher em Lisboa e levei-o para lá”. “Vi o inferno destruir-me a casa de longe, foi o que me valeu”, desabafa, com alguma dificuldade em expressar-se, de olhar caído.

O antigo mecânico perdeu tudo. A casa, os animais (dois cães) os carros, as árvores de fruto e grande parte dos sobreiros. “Sobrou ou um outro.” Numa pequena volta dada à casa, Diamantino explica o que vemos: “Aqui estava o meu primeiro carro, agora é só chapa, um VW Carocha de 1975. Aqui era onde os cãezitos dormiam e comiam. Aqui tinha uma máquina para lavar carros… E pronto, perdi tudo”. Continua: “Ah, venha ver uma coisa… As paredes da cozinha eram vermelhas”. Só se consegue ter visão da cozinha através da janela, partida, que dá para o exterior. As paredes estavam cinzentas e pretas.

Cozinha da casa de Diamantino e as paredes, essas, antes das chamas eram vermelhas. Agora estão cinzentas e pretas. JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Diamantino, o filho António e a sua nora saíram de Lisboa às 9 horas do dia 6, segunda-feira. Tinham seguido as notícias durante toda a noite que aquela zona da serra estava rodeada de chamas. A esperança pairou naquelas três almas até meio da viagem, a caminho de Monchique. Aí, ao ouvir a rádio perceberam que algo poderia não estar bem. “Ouvimos que várias casas na Portela da Pedra Branca tinham ardido e ficámos os três em silêncio, todos percebemos, mas ninguém disse nada”, explica António.

Nesse mesmo dia, ao final da tarde, partiram para Lisboa. Com a certeza que Diamantino, com 73 anos, terá de começar tudo do zero.

“Isto era o meu tesouro, perdi tudo”, conta Diamantino, de camisa aos quadrados, para dentro das calças e sandálias. JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR