O congressista republicano do estado norte-americano de Nova Iorque, Chris Collins, detido sob a acusação de abuso de informação privilegiada, disse na quarta-feira que está inocente e que mantém a intenção de se recandidatar em novembro.

Chris Collins saiu em liberdade sob fiança de cerca de 430 mil euros, depois de ter sido detido na quarta-feira. “Creio que atuei corretamente e dentro dos limites da lei em todo o momento. Preparei uma defesa vigorosa para apresentar em tribunal para limpar o meu nome. Espero ser completamente exonerado”, afirmou aos jornalistas, num encontro sem direito a perguntas e que serviu para anunciar a sua intenção de se recandidatar nas eleições marcadas para novembro.

Collins, o seu filho Cameron e Stephen Zarsky, pai da namorada de Cameron, estão alegadamente envolvidos no uso de informação privilegiada relacionada com títulos da empresa australiana Innate Immunotherapeutics, a cujo conselho de administração o político republicano pertenceu. As atividades empresariais do republicano, que foi o primeiro congressista a apoiar em 2016 a candidatura às presidenciais do atual Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, estavam a ser investigadas pelo Gabinete de Ética do Congresso norte-americano, noticiou o jornal ‘online’ Politico.

Collins terá fornecido informação ao filho que, por sua vez, a passou a Zarsky, evitando assim perdas estimadas em cerca de 660 mil euros, segundo a investigação.