Nunca misturar negócios com prazer. A velha máxima aplica-se a qualquer situação profissional e procura que quem a siga se mantenha afastado de possíveis problemas que resultem de tão explosiva combinação. Um jantar de trabalho demasiado regado pode acabar mal profissionalmente, assim como também não será boa ideia deixar questões pessoas interferirem com os resultados da carreira. Se uma discussão entre amigos no trabalho já pode criar mau estar, imagine como seria se o seu sucesso profissional dependesse da pessoa de quem se está a separar. Foi o caso de Katinka Hosszu, a Dama de Ferro húngara, que terminou uma relação com o seu marido e treinador, Shane Tusup, pouco antes de participar nos Europeus de natação, em Glasgow. A separação deixou marcas, o arranque na prova foi reflexo das dificuldades que a nadadora olímpica teve para se preparar para estes campeonatos, mas lá chegou à glória que deixou os problemas para trás: Hosszu tornou-se na primeira mulher a vencer a mesma prova em cinco Europeus consecutivos. 

O feito da três vezes campeã olímpica deu-se nos 200 metros estilos, distância onde detém o recorde do mundo (2.06,12) conquistado nos Mundiais na Rússia, onde superou toda a concorrência para terminar a prova com 2.10,17. A dominar a categoria desde 2010, Hosszu foi mais rápida do que a italiana Ilaria Cusinato (2.10,25) e do que a suíça Maria Ugolkova (2.10,83). A britânica Siobhan-Marie O’Connor, que até era a atleta europeia com a melhor marca do ano (2.09,80) e a que, teoricamente, poderia ameaçar a vitória da húngara não foi além do quarto posto, com 2.10,85.

Katinka Hosszu, a Dama de Ferro que instalou a ditadura nas piscinas mas luta pela liberdade fora delas

Mas o caminho até ao sucesso nos Europeus foi atribulado, com a Dama de Ferro a ter um início enferrujado, fruto da atribulada preparação (ou, neste caso, falta dela) e a ficar-se por um surpreendente quarto lugar na final dos 100 metros costas. Seguia-se a prova dos 200 metros costas, que Hosszu acabou por abdicar de realizar, mostrando-se ciente das suas limitações e focada no objetivo principal de fazer história nos 200 metros estilos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ao sagrar-se campeã europeia na categoria pela quinta vez consecutiva, Katinka Hosszu foi a primeira mulher a conseguir tamanha série de conquistas, igualando um feito apenas alcançado pelo seu compatriota Laszlo Cseh, que venceu os 200 metros estilos entre 2006 e 2014 e os 400 metros estilos entre 2004 e 2012.

View this post on Instagram

??#ironlady

A post shared by Katinka Hosszu (@hosszukatinka) on

Aos 29 anos, Katinka Hosszu passou a última década ao lado do marido e treinador Shane Tusup, naquela que era uma das relações de maior cumplicidade na natação. No final de maio, o encanto pessoal quebrou-se e o lado profissional ressentiu-se. Hosszu, abalada emocionalmente pelo final da relação, viu-se sem treinador e sem marido. Para os europeus recorreu ao seu antigo técnico, Dave Salo, mentor de nomes como Aaron Peirsol, Jessica Hardy ou Rebecca Soni, na Universidade da Carolina do Sul; de agora em diante, tudo indica que seguirá o seu percurso profissional com o treinador suíço Árpád Petrov. Para trás fica Shane Tusup e os tempos em que os negócios se misturaram com o prazer.