Nações Unidas

Assembleia-Geral da ONU aprova Bachelet como Alta-Comissária para os Direitos Humanos

Por unanimidade e aclamação, os 193 Estados com assento na Assembleia-Geral da ONU apoiaram a nomeação da ex-presidente do Chile para Alta-Comissária para os Direitos Humanos

ALEX IBANEZ HANDOUT/EPA

A Assembleia-Geral das Nações Unidas aprovou esta sexta-feira oficialmente a nomeação, anunciada na quarta-feira, da antiga Presidente do Chile Michelle Bachelet como Alta-Comissária para os Direitos Humanos.

Por unanimidade e aclamação, os 193 Estados com assento na Assembleia-Geral apoiaram Bachelet, nomeada esta semana pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, após consultas com os grupos regionais.

Michelle Bachelet, de 66 anos, assumirá o cargo a 1 de setembro, por um período de quatro anos, sucedendo ao diplomata jordano Zeid Ra’ad Al-Hussein, um crítico feroz dos abusos dos direitos humanos em todo o mundo que reitera que não é o organismo que dirige que “envergonha os Governos, eles envergonham-se a si mesmos”.

Al-Hussein, membro da família real jordana, cujo mandato de quatro anos termina a 31 de agosto, saudou esta sextafeora a escolha de Bachelet como sua sucessora, elogiando o seu “profundo empenho na defesa dos direitos humanos”.

Em comunicado, o Alto-Comissário cessante declarou-se “realmente encantado” com a nomeação da antiga chefe de Estado chilena.

Ela tem todas as qualidades — coragem, perseverança, paixão e um profundo compromisso com os direitos humanos — para ser uma Alta-Comissária bem-sucedida”, sublinhou.

Todos os grupos regionais das Nações Unidas celebraram esta sexta-feira a nomeação e destacaram a grande experiência internacional de Bachelet e o seu empenho na defesa dos direitos humanos, em especial na defesa das mulheres.

A ex-Presidente chilena, que ficará à frente da ampla estrutura de direitos humanos da ONU, com sede principal em Genebra, na Suíça, será a principal responsável por denunciar os abusos mais graves e trabalhar com os Governos para melhorar a proteção dos direitos humanos em todo o mundo.

O cargo é considerado um dos mais complexos dentro da ONU, e os seus titulares têm sido amiúde alvo de críticas e pressões de líderes internacionais.

Com esta nomeação, Bachelet regressa às Nações Unidas, onde foi, entre 2010 e 2013, a primeira diretora-executiva da ONU Mulheres. A dirigente socialista foi Presidente do Chile em dois períodos, entre 2006 e 2010 e entre 2014 e março deste ano.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mulher

Go girls, go! /premium

Laurinda Alves

Ainda tão jovens, com pouco mais de vinte anos, todas sabem exactamente por onde querem começar e atrevem-se a dizer, como Elvira: “sou parte da geração que vai mudar o meu país!”. E nós acreditamos.

António Costa

O caminho para lado nenhum /premium

Rui Ramos

O sucesso de António Costa reflecte a capacidade de que a oligarquia política continua a dispor, numa sociedade envelhecida e dependente, de fazer pagar por todos o que só beneficia alguns. 

Assalto em Tancos

Tancos: é ainda pior do que parece

Bruno Cardoso Reis

Se é certo que em Portugal as Forças Armadas sempre serviram para bem mais do que fazer a guerra, hoje em dia essas outras tarefas são cada vez mais numerosas e cada vez mais vitais. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)