Economia

Comece já hoje a poupar

Poupar é uma forma de prevenir o futuro, mas também de concretizar sonhos, seja a compra de uma casa, um carro ou uma viagem ao outro lado do mundo.

Fazer um pé-de-meia para uma viagem de sonho, para comprar casa, um carro novo, para casar ou para o nascimento de um filho é um modo de ficar mais perto dos seus desejos. Poupar pode ter os mais diversos fins, desde pagar os estudos universitários até enfrentar os primeiros anos de trabalho com baixos rendimentos. É igualmente uma opção inteligente para assegurar a necessária estabilidade se surgir um imprevisto. Ter um fundo de emergência é uma forma de proteger a família. Esta “almofada financeira” deve ter, no mínimo, o equivalente a 6 meses de despesas fixas, de acordo com os especialistas em educação financeira.

Como conseguir poupar para prevenir o futuro?

A gestão do orçamento deve incluir uma margem para a poupança. Mas como conseguir dinheiro para este fim, quando as finanças são apertadas? Poupar pode transformar-se numa rotina, e quando isso acontecer vai ser mais fácil do que parece. É necessário tempo e prática para conseguir poupar da melhor forma.

Como subscrever o Poupança Expresso Net

Aceda à página da Internet da Associação Mutualista Montepio:

1.  Insira o montante que pretende aplicar
2.  Coloque os seus dados
3. Escolha o método de pagamento: se quer aplicar a poupança através de débito direto ou por referência multibanco
4.   E já está! Dê a melhor resposta aos seus sonhos e à sua vida com o Poupança Expresso Net

Uma das principais estratégias é anotar – seja no excel ou até mesmo num bloco de notas – todas as despesas mensais, com indicação da data da compra, produto e valor. Não se esqueça também dos pequenos gastos, porque, no final do mês, podem representar uma fatia significativa do orçamento. Com este esquema, terá uma noção clara do destino do seu dinheiro e será mais fácil perceber onde poderá poupar. É também fundamental definir objetivos para o dinheiro disponível e cumpri-los. As prioridades são muito importantes; não saber o que fazer ao dinheiro é, muitas vezes, o primeiro passo para gastá-lo de maneira supérflua.

O valor certo a poupar

Depois de ter realizado toda esta análise, deverá definir a quantia que pretende colocar de lado todos os meses. Os especialistas em economia e finanças recomendam que se destine entre 5% e 10% dos rendimentos mensais para a poupança. Aplique a regra conhecida como “pague-se a si mesmo”. Na prática, significa que quando recebemos o salário devemos retirar imediatamente a nossa parte, ou seja, o dinheiro para poupar que nos vai facilitar o futuro. Quando conseguir ter algum dinheiro de lado, poderá colocá-lo numa solução de poupança.

Procura o melhor destino para o seu dinheiro?

A Associação Mutualista Montepio tem a resposta com uma solução de poupança simples, fácil e cómoda. Bastam 3 minutos para subscrever o Poupança Expresso Net, e o seu dinheiro começa a crescer nos próximos 3 anos, com capital e rendimento 100% protegidos. A solução mutualista remunera as suas poupanças com uma TANB média de 1,133%.

Esta conta é para si?

Os subscritores podem ter qualquer idade, mas o produto é exclusivo para os associados do Montepio Geral – Associação Mutualista. Caso ainda não o seja, pode tornar-se um deles até 31 de agosto e usufruir da oferta da Jóia de Admissão, no valor de 9 euros. Este é o primeiro passo para que possa subscrever a modalidade mutualista Poupança Expresso Net. Depois, é só manter o vínculo associativo até ao final do prazo e definir o montante da poupança (entre 150 a 500 000 euros). Se aplicar 10 000 euros, por exemplo, daqui a 3 anos, o montante mínimo a receber será de 10 344 euros, segundo o simulador do site da Associação Mutualista Montepio.

Faça o seu dinheiro render ao longo de 3 anos. O tempo certo para fazer planos e preparar o futuro.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
Partidos e Movimentos

Seja bem-vinda, "Iniciativa Liberal"

Mário Pinto

Saudamos o Manifesto da Iniciativa Liberal, mesmo não partilhando muitas das suas propostas. Saudamos em especial a defesa do princípio da subsidiariedade, base para a "democratização da democracia".

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)