Pelo menos 24 pessoas morreram esta sexta-feira na sequência de bombardeamentos a várias localidades controladas pelos rebeldes nas províncias de Alepo e Idleb, no norte da Síria, indicou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Segundo a organização não-governamental (ONG), pelo menos 14 civis, entre os quais três crianças, morreram num ataque aéreo à localidade de Orm al-Kubra, no oeste de Alepo. O raide aéreo fez igualmente “dezenas de feridos”, embora o OSDH não tenha especificado o número.

Também no norte da Síria, aviões e helicópteros das forças do Presidente sírio, Bashar al-Assad, bombardearam diversas localidades no sul da província de Idleb, nos quais morreram pelo menos oito civis e pelo menos 45 ficaram feridos.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/mortes-na-siria-1/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”647″ slug=”mortes-na-siria-1″ thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/mortes-na-siria-1/thumbnail?version=1533738728482&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os bombardeamentos atingiram as localidades de Khan Shikhun e Al-Tah, ambas situadas no sul de Idleb. A ONG indicou que o número de mortos poderá aumentar devido à existência de feridos em estado grave.

Em finais de julho, Assad assegurou que a libertação da província de Idleb, último reduto da oposição armada síria, é uma prioridade para o exército sírio. “Agora, Idleb é o nosso objetivo, mas não só”, disse Assad numa entrevista a um órgão de comunicação social russo.

O exército sírio e seus aliados conseguiram nas últimas semanas tomar definitivamente o sudoeste do país, onde ainda operavam ‘jihadistas’ do grupo extremista Estado Islâmico (EI), e prossegue uma campanha na província meridional de Sueida para “acabar com elementos desse grupo terrorista”.