Turquia

Lira cai mais de 8%. Erdogan acusa EUA de facada nas costas

146

Depois de ter cair 15% face ao dólar na sexta-feira, a lira turca perde mais de 8%, bolsa cai mais de 4% e os juros da dívida a 10 anos batem novo recorde. Erdogan fala de facada nas costas dos EUA.

AFP/Getty Images

A lira turca está novamente a cair a pique e a renovar mínimos históricos, com as palavras do presidente turco a não conseguirem acalmar os mercados. Depois de na segunda-feira ter desvalorizado quase 16% face ao dólar, a lira turca está a perder mais de 8% e a arrastar os mercados europeus consigo. Reçep Tayyip Erdogan diz que a economia turca está sitiada e acusa os Estados Unidos de darem uma facada nas costas da Turquia.

As mostras de confiança do presidente da Turquia não foram suficientes para estancar a sangria nos mercados. Esta segunda-feira, a lira turca está a cair mais de 8% face ao dólar e já esteve perto de uma desvalorização de 8%. No último mês, a moeda turca já perdeu mais de 30% do seu valor face ao dólar e está num valor historicamente baixo.

A bolsa turca segue o mesmo caminho e os seus principais índices estão a cair mais de 4%. Os juros exigidos pelos investidores para deterem dívida turca a 10 anos continuam a bater máximos e já superam os 21%.

Não é só na Turquia que os mercados estão no vermelho. Na Europa, com exceção de um índice da bolsa da Estónia, todos os outros encontram-se a sofrer perdas. Quem perde mais é o IBEX35, o principal índice da Bolsa de Madrid, que está a desvalorizar mais de 1%.

Facada nas costas

Depois de na sexta-feira e no sábado ter pedido aos turcos para trocarem todas o dinheiro que têm em dólares e euros por liras turcas, numa tentativa de estancar a desvalorização da lira, o presidente da Turquia diz que a economia turca está sitiada e que os Estados Unidos estão a dar uma facada nas costas da Turquia.

O presidente turco diz que espera que estes “ataques” continuem e que a Turquia tem de estar preparada para lhes fazer frente quando isto acontecer.

Os dois países, aliados tradicionais na região e especialmente por a Turquia fazer parte da NATO – uma das queixas de longa data da Rússia –, estão envolvidos numa disputa diplomática devido à prisão de um pastor norte-americano na Turquia.

Andrew Brunson encontra-se atualmente sob prisão domiciliária e é um dos 20 norte-americanos acusados pela justiça turca de participarem na tentativa de golpe de Estado contra o presidente da Turquia em 2016.

O pastor é acusado de ter ligações a dois grupos que a Turquia considera terroristas, o partido dos trabalhadores do Curdistão – mais conhecido como PKK – e o movimento liderado por clérigo turco radicado nos Estados Unidos, Fethullah Gulen.

Fethullah Gulen é considerado por Erdogan como o responsável máximo pela tentativa de golpe de Estado e tem sido um foco de tensão entre Turquia e Estados Unidos. A Turquia exige, desde 2016, a extradição de Fethullah Gullen para que seja julgado na Turquia como o autor moral da tentativa de golpe de Estado, mas os EUA recusaram sempre estas pretensões, tanto durante a administração de Barack Obama como na de Donald Trump.

O presidente norte-americano já falou diretamente como Erdogan a exigir a libertação do clérigo norte-americano, mas o presidente turco tem recusado. Na sequência da falta de entendimento, Donald Trump ameaçou impor sanções contra a Turquia, que como uma economia fragilizada. Na sexta-feira, Donald Trump anunciou que tinha dado autorização para duplicar as taxas aduaneiras (que são impostas sobre as importações) sobre o alumínio e o aço.

Os Estados Unidos também já tinham aplicado sanções contra dois responsáveis turcos há cerca de um mês, em resposta a este caso. Na altura, a Turquia prometeu retaliar.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

O terrível regresso da "Europa da troika" /premium

Miguel Pinheiro

Nas eleições europeias, o PS é contra a "Europa da troika", contra a "Europa dos populistas" e contra a "Europa do Brexit". Ou seja: é uma soma de confusões, contradições e baralhações.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho
323

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)