Segurança

Condutor “grosso” e com todas as drogas do cardápio

Ponha os olhos nisto. Um homem foi apanhado bêbado e, como se isso não bastasse, acusou positivo em (praticamente) todas as drogas da lista de substâncias proibidas. O problema? Estava a conduzir.

Todos queremos notas positivas, mas nos exames. Agora, testes positivos nas análises da Brigada de Trânsito, no que respeita à taxa de álcool no sangue ou à presença de estupefacientes e substâncias proibidas, ninguém aprecia. Mas não o espanhol “El Hombre” que, ao volante da sua máquina, foi aprovado e passou com distinção a tudo e mais alguma coisa.

O polícia nem queria acreditar. É certo que as autoridades foram avisadas para o facto de uma série de condutores estarem a “conduzir visivelmente alcoolizados”, mas a brigada que visitou o local duvidou seriamente do equipamento de controlo quando este apontou para um nível de alcoolemia de 0,60 mg/l. Uma “nota” que valeu a um jovem condutor espanhol, cuja identidade não foi revelada, uma multa de 1.000€.

Mas isso foi apenas o início. Depois de provar que o homem estava bêbado, o agente decidiu analisar o condutor no que respeita a drogas. E se estava à espera de resultados negativos, enganou-se redondamente, pois a máquina quase gastou a bateria de tanto piscar… positivo.

Segundo as informações veiculadas pela polícia de Carcastillo, próximo de Navara e ainda mais próximo do mosteiro de Nossa Senhora de la Oliva, o condutor em questão não snifou nada relacionado com oliveiras, mas aparentemente snifou, fumou e injectou tudo o resto. Basicamente, acusou positivo em canábis, passou com distinção em cocaína, dispensou a oral em metanfetaminas e foi aprovado nos opiáceos. Este cocktail custou-lhe mais 1.500€.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)