A falta de alimentos e de medicamentos forçou 2,3 milhões de venezuelanos a abandonarem o país, segundo a ONU, que alertou esta terça-feira para a situação de risco de dezenas de milhares de cidadãos da Venezuela.

“As pessoas indicam a falta de comida como a principal razão para partir”, disse o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric. Em declarações aos jornalistas, Dujarric alertou que aproximadamente 1,3 milhões de venezuelanos padecem de desnutrição e que os que abandonaram o país o fizeram principalmente para a Colômbia, o Equador, o Peru e o Brasil.

Por outro lado, explicou que a grave escassez de medicamentos e materiais médicos tem ocasionado “uma forte deterioração da qualidade dos hospitais” na Venezuela, país onde mais de 100 mil pacientes com HIV/SIDA, “estão em risco”, devido à falta de acesso aos remédios de que necessitam. Segundo Stephane Dujarric, reapareceram e estão em aumento, na Venezuela, doenças como o sarampo, a malária, a tuberculose e a difteria, que já estavam erradicadas do país.

Na Venezuela são cada vez mais frequentes as queixas da população sobre a escassez de produtos básicos alimentares e medicamentos, no mercado local. Os venezuelanos queixam-se ainda de alguns produtos são distribuídos a preços excessivamente altos, o que dificulta a aquisição de alimentos e medicamentos por parte do povo. Uma caixa com medicamentos para 15 dias de tratamento da diabetes e reduzir o açúcar ou até mesmo para a hipertensão custa mais do que um salário mínimo mensal.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR