Rádio Observador

Rolls-Royce

Dentro de dois anos os Rolls-Royce vão voar

A Rolls-Royce já produz dos automóveis mais luxuosos do mercado, aos quais só falta voar. E dentro de dois anos nem isso, pois a “outra” Rolls vai começar a vender modelos que voam. E são eléctricos.

A Rolls-Royce produz uns carros fabulosos, um pouco pesados e grandes, é certo, mas definitivamente dos mais requintados e luxuosos do mercado. Mas é a outra Rolls-Royce, a que produz dos mais respeitados motores de avião, que agora é notícia. Tudo porque está decidida a competir no feroz mundo dos carros voadores e dos aviões com aterragem e descolagem vertical. E para provar que não brinca em serviço, revelou o seu protótipo no Farnborough International Airshow.

Integrado na estratégia de electrificação da marca, que produz os grandes turborreactores para os aviões comerciais, o novo veículo tem 2020 como data provável para chegar ao mercado, e visa não só satisfazer indivíduos desejosos de ir de Rolls do ponto A para o ponto B, como pode igualmente servir a aviação militar.

Denominado Rolls-Royce eVTOL (de Electric Vertical Takeoff and Landing), o veículo voador proposto pela marca britânica é na realidade um híbrido, uma vez que é uma turbina a gás que produz a electricidade que alimenta os motores eléctricos. Segundo o responsável pelas novas áreas de negócios da Rolls-Royce, Michael Cervenka, “a nossa ambição é tornarmo-nos num fornecedor de sistema de propulsão para aparelhos eVTOL e estamos neste momento à procura de parceiros para produzir os motores eléctricos ideais para projectos deste tipo”.

A Rolls surge assim como a mais recente empresa interessada em disputar o mercado dos carros e táxis voadores, onde já estão a Uber e mais 70 outros fabricantes, muitos deles startups. “Analisámos uma série de propostas eVTOL que já estão no mercado e, por acharmos que todos os modelos 100% eléctricos estão limitados a autonomias de apenas 20 minutos, decidimos avançar com a turbina a gás, para maior autonomia e segurança”, avança Cervenka.

A turbina a gás (M250) a funcionar como gerador de corrente produz até 500 kW, energia que depois é armazenada numa bateria e daí fornecida aos seis motores eléctricos. O Rolls voador é capaz de atingir uma velocidade máxima de 402 km/h e uma autonomia de 805 km. Dos seis motores eléctricos, quatro estão aplicados na asa, que por sua pode rodar 90º, permitindo a descolagem e aterragem vertical, para depois gradualmente regressar à posição horizontal, para máxima sustentação e maximizar velocidade e distância. Nesta condições, os quatro hélices dos motores das asas recolhem, para reduzir o ruído e melhorar a aerodinâmica, sendo o aparelho movido exclusivamente pelos dois hélices traseiros.

O Rolls eVTOL vai ser capaz de transportar até um máximo de 5 pessoas e se a sua turbina a gás é mais poluente do que os carros voadores 100% eléctricos, a realidade é que não está limitado por uma autonomia demasiado pequena, nem carece de períodos de recarga tão longos, além de conseguir garantir maior velocidade e capacidade de transporte.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)