Estado Islâmico

Ameaça do grupo Estado Islâmico está a espalhar-se para o leste do Burkina Faso

A ameaça do grupo 'jihadista' Estado Islâmico (EI), presente no norte do Burkina Faso, está a espalhar-se para o leste do país, que deve "colocar grandes meios" para contê-la.

ANDREA DICENZO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A ameaça do grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico (EI), presente no norte do Burkina Faso, está a espalhar-se para o leste do país, que deve “colocar grandes meios” para contê-la, segundo os especialistas.

No passado fim-de-semana, cinco polícias e um civil foram mortos numa emboscada contra um comboio a cem quilómetros de Fada N’Gourma, principal cidade da região leste do Burkina Faso. O veículo principal saltou numa mina e, de seguida, os atacantes dispararam. O incidente foi classificado como um “ataque terrorista” pelo Ministério da Defesa do Burkina Faso, citado pela agência de notícias France-Presse (AFP).

“O modo de ataque não é novo, pois há muitos do seu tipo na região do Sahel. Mas este é o primeiro caso na região leste, que resultou num balanço tão pesado”, afirmou Abdoul-Karim Sawadogo, analista do Burkina Faso e especialista em segurança, citado pela AFP. Para Paul Koalaga, consultor em geopolítica e segurança do Burkina Faso, a “região leste tem estado no olho da tempestade”. “Já era uma área reconhecida por ataques de banditismo, mas também está a começar a ser alvo de ataques terroristas”, referiu.

A 17 de junho, um polícia foi morto e ocorreu um duplo ataque simultâneo contra duas esquadras da polícia e da força militar na localidade de Comin-Yanga. A capital do Burkina Faso, Ouagadougou, foi atingida por três ataques em dois anos, o que provocou quase 60 vítimas mortais.

De acordo com a AFP, é no norte do país que a situação “é mais preocupante”. No final de abril, um relatório oficial, citado pela AFP, relatava 133 mortos em 80 ataques, durante três anos naquela região, visando nomeadamente os representantes do Estado.

Segundo Abdul-Karim Sawadogo, a recente expansão de ataques no leste do Burkina Faso deve-se à pressão exercida por grupos ´jihadistas´ no Mali e Níger, pela força francesa Barkhane e pela força africana do G5 Sahel. Um especialista militar, disse à agência France-Presse, sob condição de anonimato, que sabiam que naquela zona “havia tentativas de tomar posições de alguns grupos ´jihadistas´”. “O leste do Burkina Faso é uma área não densamente povoada, há muitas florestas onde se pode esconder, é uma área favorável”, referiu.

De acordo com a mesma fonte, o exército do Burkina Faso estava a realizar operações de “limpeza” há vários dias na área onde ocorreu o último ataque. “A estratégia contra o terrorismo não está totalmente desenvolvida”, disse o especialista militar, que destaca a fraqueza dos serviços de inteligência. Estes estavam assentes no Regimento de Segurança Presidencial, que foi desmantelado após uma tentativa de golpe de 2015.

Paul Koalaga, consultor em geopolítica e segurança, afirmou que “apesar dos esforços, da vontade real e da retórica tranquilizadora do governo”, existe “uma clara progressão do terrorismo”. “A Burkina deve empregar grandes meios para enfrentá-lo, contar com suas próprias forças, e não apenas descansar no G5 Sahel”, referiu.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)