Viana do Castelo

Desfile de mais de 630 mordomas abre hoje em Viana quatro dias de Romaria d’Agonia

O desfile da mordomia é o momento é um dos momentos cada vez mais enraizados em Viana e em que os diferentes trajes das freguesias se encontram e mostram, de uma só vez à cidade.

JOSÉ COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Mais de 630 mordomas, de cinco países, vão desfilar esta sexta-feira, às 16 horas, pelas principais artérias de Viana do Castelo, com todos os trajes de festa, no primeiro de quatro dias da Romaria d’Agonia.

O desfile da mordomia é o momento em que os diferentes trajes das freguesias de Viana se encontram e mostram, de uma só vez à cidade. A tradição, cada vez mais enraizada entre as jovens e mulheres de Viana do Castelo, e que junta várias gerações, assinala, este ano, os 50 anos da sua primeira realização.

O desfile da mordomia é a forma de os organizadores apresentarem cumprimentos às várias autoridades, Estado, autárquicas e eclesiásticas presentes na cidade. Desde há quatro anos, também as mulheres da ribeira, com os seus trajes de varina, participam neste desfile.

Ao percorrer as principais ruas da cidade, o desfile da mordomia vai deixando um rastro de cor desde a vermelha, verde e amarela dos típicos e garridos do traje à Vianesa, o primeiro do país a conseguir a certificação.

Não faltam também os fatos de noiva mais sóbrios, de cor preta. Neste número algumas das mulheres chegam a carregar dezenas de quilos de ouro, reunindo as peças de famílias e amigos num único peito, simbolizando a “chieira” (termo minhoto que significa orgulho) e outrora o poder financeiro das famílias.

O traje assume-se como um símbolo tradicional da região, nas suas várias formas, consoante a ocasião e o estatuto da mulher. Em linho e com várias cores características, onde sobressai o vermelho e o preto, era utilizado pelas raparigas das aldeias em redor da cidade de Viana do Castelo.

As características deste traje, como o seu colorido e a profusão de elementos decorativos, permitem identificar facilmente a região de origem, no concelho, motivo pelo qual se transformou, segundo os especialistas, “num símbolo da identidade local”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)