Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Mil milhões de euros para comprar casa, 631 milhões em crédito ao consumo. Este são os valores mais relevantes nos novos empréstimos feitos só em junho deste ano, conta o Público na sua edição desta sexta-feira. Os números refletem uma subida acentuada no dinheiro concedido a particulares, precisamente no mês anterior à aplicação de regras mais apertadas pelo Banco de Portugal no sentido de travar e evitar o endividamento excessivo das famílias.

No campo dos novos empréstimos, o crédito à habitação foi o mais dinâmico tendo mesmo registado o nível mais alto dos últimos oito anos, depois de uma queda de 5,6% em maio. No entanto, quando se avalia o primeiro semestre do ano, o ritmo é sempre de crescimento: 16% face ao mesmo período de 2017, confirmando uma tendência que já vinha do ano anterior.

Mediadores alertam para “bolha” imobiliária em Lisboa e Porto

São precisamente estes níveis de crédito e o risco de endividamento excessivo das famílias — que fazem despertar os cenários da pré-crise de 2008 — que levaram o regulador a decidir novas regras e um controlo mais rigoroso à concessão de empréstimos. Só entre janeiro e junho, o crédito para compra de casa e bens de consumo totalizou perto de 8,5 mil milhões de euros, o que dá uma média de 47 milhões de euros por dia. Em 2017  rondava os 38,6 milhões por dia.

De acordo com o inquérito feito pelo Banco de Portugal, em julho, os cinco maiores bancos no mercado português justificam este aumento da concessão de crédito “a menor restritividade [ou maior flexibilidade] dos critérios de concessão de empréstimos às famílias para aquisição de habitação”. Para o terceiro trimestre deste ano, mesmo com os critérios mais restritivos em vigor desde 1 de julho, os bancos estimam números positivos nos três segmentos do crédito: empresas, habitação e consumo.