A lira turca cedeu esta sexta-feira mais de 5% em relação ao dólar e ao euro, invertendo a subida registada nos últimos dias após a queda verificada na sexta-feira devido à tensão política e comercial com Washington. Pelas 14h30 (hora de Lisboa), a moeda turca negociava a 6,14 dólares, menos 5,3% do que o valor registado na quinta-feira no fecho do mercado.

Por sua vez, registava uma perda de 5,2% em relação com o euro, que podia ser trocado por sete libras. A inversão da trajetória da lira coincidiu com a rejeição de um tribunal turco de um novo recurso que pedia a suspensão da prisão domiciliária do pastor protestante norte-americano Andrew Brunson. Andrew Brunson, oriundo do estado da Carolina do Norte, está detido desde outubro de 2016 em território turco por acusações de “terrorismo e espionagem” e arrisca uma pena de prisão até 35 anos.

Esta manhã, a lira turca seguia a recuperação sentida nos últimos quatro dias. Esta recuperação iniciou-se depois de o banco central turco ter realizado um leilão para captar depósitos em dólares a troco de liras a uma taxa de juro de 19,25%, isto é, 1,5 pontos percentuais acima da taxa base. O banco central também aumentou os juros de alguns depósitos e limitou as transações dos bancos turcos com investidores estrangeiros.

“Para metade do povo Erdogan é um profeta, para a outra metade é um filho da mãe”. Como os turcos estão a viver a crise da moeda

O Governo turco negou na quinta-feira que o país necessite de um resgate do Fundo Monetário Internacional (FMI) e prometeu fazer reformas para reduzir a taxa de inflação elevada e aumentar o défice orçamental primário (sem juros da dívida).

A lira turca, em dificuldades há vários meses, registou uma queda muito acentuada face ao dólar na sexta-feira, após o Presidente norte-americano, Donald Trump, ter anunciado na rede social Twitter que vai duplicar as tarifas impostas às importações de aço e de alumínio provenientes da Turquia.