Recep Tayyip Erdogan

Presidente da Turquia reeleito dirigente máximo do partido AKP

O Presidente da Turquia foi reeleito como dirigente máximo do Partido Justiça e Desenvolvimento islamita, que governa o país desde 2002, com os votos dos 1.380 delegados.

No seu discurso no congresso o Presidente turco fez referência à turbulência económica na Turquia

STR/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, foi reeleito este sábado como dirigente máximo do Partido Justiça e Desenvolvimento (AKP), islamita, que governa o país desde 2002. Erdogan, que era o único candidato à presidência daquele partido, AKP na sigla na língua de origem, foi reeleito com os votos dos 1.380 delegados, reunidos em Ancara.

O político foi um dos principais cofundadores do AKP em 2001, quando já era conhecido por ter sido presidente da câmara municipal de Istambul, e esteve na liderança até 2014, altura em que foi eleito chefe de Estado e, de acordo com a Constituição em vigor nessa altura, teve de abandonar o cargo no partido. A obrigação do chefe de Estado ser apartidário foi revogada numa alteração referendada em abril de 2017. Um mês depois, Recep Tayyip Erdogan voltou a ser presidente do AKP.

No seu discurso no congresso, este sábado, o Presidente turco fez referência à turbulência económica na Turquia, devido à queda da moeda nacional que perdeu 38% desde o início do ano, principalmente durante as últimas duas semanas.

Alguns “ameaçam-nos pela economia, investimentos, divisas, tipos de juros, inflação. A estes dizemos que vamos ver como jogam e fazer-lhes frente”, disse Erdogan numa intervenção transmitida pela cadeia televisiva NTV. “Se eles têm dólares, nós temos o nosso deus e avançaremos no nosso caminho com passos firmes”, acrescentou, repetindo uma mensagem que já transmitiu há uma semana, perante a queda da lira turca.

O AKP renovou parcialmente a sua cúpula, retirando por incompatibilidade vários elementos atualmente a ocupar cargos ministeriais, em grande parte substituídos por ex-ministros. Do total de 50 elementos do renovado comité central, 15 são mulheres, das quais mais de metade aparecem em público com o véu popularizado pelo AKP na Turquia como código de adesão à ideologia islamita.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)