Polícia Judiciária

Professora mata marido com martelo e faca de cozinha, em Abrantes

219

A vítima era professor de Matemática numa escola secundária da cidade e tinha dois filhos menores. A mulher, também professora, foi detida. O marido ainda recebeu ajuda mas acabou por morrer no local.

Jorge Firmino / Global Imagens

Autor
  • Agência Lusa

A professora de 43 anos que matou o marido com uma faca e um martelo, na noite de quinta-feira, na casa onde viviam, em Abrantes. foi detida pela Polícia Judiciária (PJ), por suspeita de homicídio qualificado. A vítima, também professor, foi socorrida no local mas acabou por morrer.

Os factos ocorreram na noite de quinta-feira, na residência do casal, na localidade de Chaínça, “tendo a suspeita usado uma faca de cozinha e um martelo, com que desferiu múltiplos e dispersos golpes em zonas vitais, causadores da morte da vítima” de 51 anos, pode ler-se no comunicado, da PJ de Leiria. A vítima era professor de Matemática numa escola secundária da cidade e tinha dois filhos menores. O comandante dos bombeiros de Abrantes, António Manuel, disse à Lusa que a vítima “ainda recebeu ajuda, tendo acabado por morrer no local“, apesar das tentativas de manobra de reanimação.

Contactado pela Lusa, o comandante da PSP de Abrantes disse, por sua vez, que as equipas de investigação criminal presentes no local não detetaram sinais de intrusão ou assalto.

Aparentemente, o homicídio não se verificou num quadro de assalto, furto ou roubo“, disse Daniel Marques.

O alerta foi dado via 112 às 21h50 de quinta-feira, adiantou o comandante dos bombeiros, referindo ainda que “o óbito foi declarado no local” e o cadáver transportado para a morgue do hospital de Abrantes. A detida vai ser presente às autoridades judiciárias competentes para primeiro interrogatório e aplicação das medidas de coação tidas por adequadas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]
PGR

Um agradecimento a Joana Marques Vidal

Pedro Passos Coelho
211

Não houve a decência de assumir com transparência os motivos que conduziram à sua substituição. Em vez disso, preferiu-se a falácia da defesa de um mandato único e longo para justificar a decisão.

PGR

Um agradecimento a Joana Marques Vidal

Pedro Passos Coelho
211

Não houve a decência de assumir com transparência os motivos que conduziram à sua substituição. Em vez disso, preferiu-se a falácia da defesa de um mandato único e longo para justificar a decisão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)