Estão em países diferentes, disputam Campeonatos diferentes e têm objetivos diferentes (ou em comum chamado Champions) mas nem por isso deixam de ser notícia. No mesmo dia. Por razões diferentes e em jogos diferentes. E se no caso de Cristiano Ronaldo foi a estreia na Serie A pela Juventus com uma vitória sofrida obtida nos descontos frente ao Chievo (3-2, sem golos do português), no caso de Lionel Messi foi a estreia oficial como novo capitão do Barcelona depois da saída de Iniesta. O triunfo, esse, demorou a sair mas chegou com números mais redondos (3-0 ao Alavés). No entanto, é de outro dado que se fala.

https://twitter.com/BarcaUniversal/status/1030932157433307136

Depois de uma primeira parte em branco com o Alavés a dar a iniciativa de jogo aos comandados de Ernesto Valverde (que estreou Arthur e Vidal no decorrer do segundo tempo, começando o encontro sem reforços), o argentino conseguiu finalmente furar a muralha visitante num livre direto onde enganou a barreira, aproveitando o salto de todos os jogadores que estavam formados para fechar o ângulo superior para colocar a bola pelo buraco da agulha. 1-0 para o Barcelona mas um golo com mais história do que isso: era o 6.000 dos blaugrana em encontros a contar para a Liga espanhola.

E é neste dado que se percebe melhor a Messianização do futebol dos catalães na última década (ou mais): em 2009, no dia 1 de fevereiro, Messi apontou o golo 5.000 do Barça na prova; nove anos e meio depois, fez o 6.000. Pelo meio, e em 1.000 remates certeiros, o número 10 e agora capitão contribuiu para 462 golos, como marcador (337) ou assistente (125). Apenas mais um dado para um dos maiores símbolos da história do clube, que leva 553 golos e 220 assistências em 639 jogos.

Coutinho, após assistência do compatriota Arthur, decidiu o encontro aos 83′ com o 2-0, surgindo depois no final do encontro Messi para bisar e fechar em definitivo as contas. As contas de mais um jogo onde o argentino voltou a estar diabólico, obtendo mesmo nota 10 no plano estatístico após dois golos, duas bolas nos postes, três oportunidades criadas e oito remates…