Macroeconomia

Mecanismo Europeu de Estabilidade realça história de êxito nos resgates à Grécia

Diretor do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), Klaus Regling, congratulou-se com a recuperação da autonomia da Grécia, na saída do último programa de resgate. País será "história de êxito", diz.

ORESTIS PANAGIOTOU/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O diretor do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), Klaus Regling, congratulou-se este domingo com a recuperação da autonomia da Grécia, na saída do último programa de resgate, apontando que o país será “uma história de êxito”.

“Há algum tempo atrás nada faria crer que Portugal, Espanha, Irlanda e Chipre seriam histórias de êxito. Refiro-me sempre a estes países como as nossas quatro histórias de sucesso. Agora poderei incluir a Grécia neste grupo”, seguindo sempre as reformas acordadas, declarou Klaus Regling ao diário grego News247.

O responsável do Mecanismo Europeu lamentou o sofrimento que o povo grego suportou durante os anos do resgate, mas realçou os “resultados positivos” conseguidos pelo programa, como o crescimento da economia ou a redução do desemprego, nos últimos três anos.

Klaus Regling apontou a importância de a Grécia continuar as reformas realizadas e concretizar os compromissos firmados com as instituições credoras.

“Os interesses da Grécia, dos gregos e do Governo estão alinhados com os interesses do MEE: é do interesse mútuo que as reformas continuem, que a Grécia beneficie de um bom crescimento e que se crie emprego”, realçou.

À pergunta acerca da possibilidade de revogar a reforma das pensões — uma intenção do Governo grego com o argumento de que as restantes reformas adotadas são suficientes para atingir os seus objetivos financeiros, com base nos resultados de 2016 e 2017 –, o responsável europeu respondeu apontando a obrigatoriedade de cumprimento de todos os acordos alcançados antes do final do programa de resgate.

Acrescentou que o primeiro-ministro, Alexis Tsipras, não precisa do seu conselho porque “sabe o que fazer” quando a Grécia recuperar a sua soberania financeira.

Klaus Regling explicou ainda que a Grécia esteve com programas de resgate mais tempo do que outros países, pelo menos, por três razões: o seu ponto de partida era mais complicado devido ao défice orçamental e à significativa perda de competitividade, a fragilidade da administração e o tempo perdido com as decisões do ministro das Finanças Yanis Varoufakis, em 2015.

Na segunda-feira, a Grécia concretiza a saída do seu terceiro programa de assistência, numa data histórica para o país e para a zona euro, que vira a página sobre oito anos de resgates, deixando o euro de ter qualquer membro sob resgate.

Aquele foi o país europeu mais atingido pela crise económica e financeira, foi o primeiro e último a pedir assistência financeira — e o único “reincidente” –, e a conclusão do seu terceiro programa assinala o fim do ciclo de resgates a países do euro iniciado em 2010, e que abrangeu também Portugal (2011-2014), Irlanda, Espanha e Chipre.

O histórico da crise grega e da zona euro recua, pelo menos, a 2010, altura em que tem lugar a primeira cimeira extraordinária de líderes da UE para discutir o “problema grego”, à luz das revelações de que as autoridades gregas haviam ocultado os verdadeiros dados macroeconómicos do país e manipulado os números do défice público, que era afinal, na altura, de 12,5%, mais do dobro do valor anunciado.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Impostos

Que ficou por fazer na tributação das mais-valias?

Gonçalo Bastos Lopes e Catarina Ribeiro Caldas

Pena foi que não se tenha aproveitado o OE 2019 para proceder à revisão do regime de tributação das mais-valias, devolvendo-lhe coerência e eliminando o potencial de litígio entre contribuintes e a AT

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)