Nicolás Maduro

Oposição venezuelana convoca greve-geral contra medidas económicas de Nicolás Maduro

Em causa está a reconversão da moeda e as recentes medidas económicas anunciadas pelo Presidente Nicolás Maduro. Para a oposição, o aumento do salário mínimo implicará "mais sofrimento e pobreza".

A greve-geral foi convocada no sábado pelos partidos da oposição Primeiro Justiça, Vontade Popular e Causa R

Miguel Gutierrez/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A oposição venezuelana convocou uma greve-geral para 21 de agosto em protesto pela reconversão da moeda e contra as recentes medidas económicas anunciadas pelo Presidente Nicolás Maduro. A greve-geral foi convocada no sábado pelos partidos da oposição Primeiro Justiça, Vontade Popular e Causa R.

Convocamos, para terça-feira, 21 de agosto, um primeiro dia de protesto e de greve nacional, contra [Nicolás] Maduro, contra a hiperinflação e a fome”, lia-se nas mensagens publicadas na rede social Twitter.

Entretanto, em comunicado, a mesma oposição referia que sexta-feira, dia em que o Presidente Nicolás Maduro anunciou várias medidas económicas e um aumento de 35 vezes do salário mínimo dos venezuelanos, “será recordado, na história, como o dia mais negro que os venezuelanos jamais tiveram“.

A ditadura, no seu afã infinito de destruição (…), depois de ter roubado centenas de milhares de milhões de dólares, anunciou a disposição criminosa de passar a saquear diretamente as algibeiras a um povo que já está a viver uma aguda pobreza e sob as calamidades da falta de serviços básicos, como água e luz elétrica”, afirma o documento.

Para a oposição, o aumento do salário mínimo anunciado pelo chefe de Estado vai representar desemprego e a diminuição real do poder de compra dos trabalhadores, o que implicará “mais sofrimento e pobreza”. Por outro lado, denuncia que nos próximos dias muitas empresas vão encerrar as portas, deixando milhões de trabalhadores desempregados.

Na mesma nota, os opositores de Maduro sublinharam que o regime aumentou o IVA de 12% para 16%, enquanto isenta de pagamento de impostos as empresas que exploram os “bens naturais” do país. A oposição pretende “ativar” a população para participar em vários propostas contra as medidas económicas, cujos pormenores vão ser divulgados nos próximos dias.

O Presidente da Venezuela anunciou o aumento do salário mínimo de 5.196.000 para 180.000.000 bolívares (de 1,14 euros para 39,50 euros), ou seja, 35 vezes superior ao que os venezuelanos recebem atualmente. O novo salário mínimo dos venezuelanos, anunciado na sexta-feira à noite, equivale a 1.800,00 bolívares soberanos, a moeda que entrará em vigor a partir da segunda-feira 20 de agosto, data em que a reconversão eliminará cinco zeros do atual bolívar. “O salário mínimo ficará [fixado] em meio petro (cripto moeda venezuelana), 18.00 bolívares soberanos”, disse Nicolás Maduro durante uma intervenção televisiva a partir do palácio presidencial de Miraflores.

Na prática o salário aumenta 3.214%, ou seja, 35 vezes. Os preços dos produtos deixarão também de estar ancorados ao dólar, porque essa moeda deixará de ser uma referência no país e será substituída pelo virtual Petro.

Esgotou-se o jogo do dólar paralelo e o mecanismo para fixar os preços com esse jogo. Nós vamos fixar os preços ancorados ao Petro”, disse, vincando que a cripto moeda venezuelana se converterá numa unidade de intercâmbio económico nacional e internacional.

O aumento do salário faz parte do novo “Programa de Recuperação Económica, de Crescimento e Prosperidade” que, segundo o chefe de Estado, estará adaptado à realidade venezuelana e poderá reverter os efeitos da guerra económica nacional e internacional. “O Governo dos Estados Unidos vem fazendo a guerra em distintas modalidades para evitar que a República possa fazer as suas compras internacionais, para conseguir a asfixia internacional”, disse Nicolás Maduro, admitindo que os EUA têm conseguido “causar danos”.

Como parte das novas medidas, o IVA passará de 12% para 16% e as grandes transações financeiras passarão a pagar entre 0 e 2% de imposto sobre o valor das mesmas. Por outro lado o Governo venezuelano assumirá, durante 90 dias, o pagamento da diferença do novo salário das indústrias médias e pequenas do país.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)