Incêndios

Autoridades confirmam que fogo de Braga já está controlado

A nível nacional estão a ocorrer 13 incêndios, mas apenas cinco estão ativos. Governo mantém proibição de fogo-de-artifício nos sete distritos em alerta vermelho.

HOMEM DE GOUVEIA/LUSA

Um incêndio que deflagrou ao início da tarde deste domingo no distrito de Braga está a ser combatido por 77 bombeiros, auxiliados por 19 veículos terrestres e três meios aéreos, de acordo com a proteção civil.

Na sua página na Internet, a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) informa que este fogo começou pelas 13h17, na localidade de S. Martinho, freguesia de Celeiró, Aveleda e Vimieiro. Ainda no distrito de Braga, mas já em fase de conclusão, um outro incêndio continua a imobilizar dez bombeiros e duas viaturas.

A nível nacional, segundo a ANPC, estão a ocorrer 13 incêndios, mas apenas cinco (Porto, Faro e Braga) estão ativos, os restantes já se encontram em fase de conclusão. No combate às chamas estão um total de 331 homens, 86 viaturas terrestres e sete meios aéreos.

Governo mantém proibição de fogo-de-artifício nos distritos em alerta vermelho

O Governo esclareceu este domingo que até ao dia 22 de agosto, data até à qual vigora o alerta vermelho devido ao risco de incêndio em sete distritos, se mantém a proibição do uso de fogo-de-artifício. O presidente da Câmara de Viana do Castelo disse no sábado estar a aguardar resposta do Governo ao pedido de exceção na proibição de fogo-de-artifício, para permitir a realização, este domingo, da Serenata, durante as festas da Agonia.

Não haverá qualquer exceção à proibição total da utilização de fogo-de-artifício ou outros artefactos pirotécnicos, independentemente da sua forma de combustão. Enquanto vigorar a situação de alerta, as autorizações que possam ter sido emitidas devem ser suspensas”, diz uma nota do Ministério da Administração Interna enviada às redações.

Face à decisão do Governo, a câmara de Viana do Castelo anunciou já que a Serenata — fogo tradicionalmente lançado da ponte Eiffel sobre o rio Lima — será realizada no dia 25 à meia-noite. Esta sessão de fogo de artificio encerra todos os anos a romaria da Agonia com milhares de pessoas concentradas nas margens do rio.

A situação de alerta foi declarada por despacho do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, na sexta-feira, para os distritos de Braga, Bragança, Guarda, Porto, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu. O Governo manifesta ainda na mesma nota que respeita as “tradições do país, mas a situação de alerta que se vive no continente, com sete distritos em alerta vermelho, obriga a um cuidado e a uma atenção acrescidos por parte de todos”.

Entretanto, a Proteção Civil acaba de fazer um ponto de situação sobre os incêndios ainda ativos no país, merecendo mais destaque o de Braga. Neste momento, esse fogo apenas tem uma frente ativa mas é o que concentra mais meios, contando com 92 operacionais, 26 veículos e 3 meios aéreos.  Contudo, o representante da ANPC explicou que “dentro das próximas horas”, esse mesmo incêndio estará controlado e, só então, “começaram as operações de extinção”.

Durante a parte da manhã houve também um foco de incêndio registado no distrito de Faro, em Boliqueime,  que terá ameaçado algumas habitações. Felizmente foi tudo extinto e controlado numa hora.

O estado de atenção e cuidado extremos continua a ser defendido pela Autoridade Nacional da Proteção Civil, dadas as condições metereológicas dos últimos (e próximos dias). É precisamente por isto que os distritos de Viana do Castelo, Porto, Braga, Vila Real e Viseu vão continuar em alerta vermelho e vão manter-se também “todos os pré-posicionamentos estratégicos” de meios, assim como “os patrulhamentos” realizados com a ajuda do Exército.

É precisamente este momento de grande calor que leva a ANPC a relembrar que, pelo menos até 22 de Agosto, é proibido lançar foguetes, balões com chama ou fogo-de-artifício e, muito menos, fazer fogos. “A população tem de adequar os seus comportamentos às condições atmosféricas”, ressalvaram.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Empresas

Accionista e operador de máquinas: bons amigos?

Rui Esperança

A perpetuação do modelo da melhoria dos resultados das empresas à custa dos salários baixos e do consequente enriquecimento dos accionistas tem de mudar. Sem as pessoas, as empresas são pouca coisa.

Abusos na Igreja

Mr. McCarrick, I presume? /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Quando a Igreja castiga os clérigos pedófilos, com o máximo rigor que a lei canónica permite, age de acordo com o exemplo e a doutrina do seu divino Mestre.

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)